Fechar
Subscreva a nossa newsletter

É só registar-se! Recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente no seu e-mail. É gratuito.

Espanha segue tendência do leite de pastagem

publicado em 08-09-2017

Comente!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A tendência do leite de pastagem também chega a Espanha. Pressionadas pelo declínio no consumo de leite líquido, várias indústrias nos países europeus estão a oferecer ao mercado leite diferenciado de vacas alimentadas em pastoreio e com certificação de bem-estar animal.

Nesse sentido, a Celtic Milk e Central Lechera Asturiana, através da Larsa, leverão ao mercado a partir de janeiro de 2018 um leite de pastagem, para ocupar um nicho de mercado que, em outros países, não para de crescer. Este tipo de produtos satisfaz assim três preocupações crescentes dos consumidores: o respeito pelo meio ambiente, a preocupação com a saúde (vários estudos mostram que o leite de pastagem tem um perfil mais saudável de ácidos gordos) e a preocupação com o bem-estar dos animais. E a um preço para o cliente intermédio entre leite biológico e leite convencional.

A grande distribuição também está interessada na venda de produtos lácteos diferenciados, com maior valor acrescentado e de vida curta - o leite pasteurizado tem um prazo de validade cerca de dez dias - para que o cliente vá ao supermercado com mais frequência. Isto foi demonstrado por Jorge Morales Lozano, gestor de compras da Lidl em Espanha-

"Há já algum tempo estamos a trabalhar com um grupo de produtores galegos para obter o leite pasteurizado comprado em Espanha, certificado em pastoreio e bem-estar animal", salienta a Leche Celta, pertencente à cooperativa portuguesa Lactogal, sublinhando que  "exige um mínimo de 150 dias no pasto e certificado de bem-estar animal Aenor"


E em termos de alimentares, exigirá que os agricultores criem vacas no mínimo 150 dias por ano e 5 horas por dia de pastagem. Um requisito que, em princípio, só poderia satisfazer os rebanhos da Galiza e Cantabria devido às condições climáticas.

"Obviamente, o papel principal para o setor lácteo vai continuar a ter leite convencional, mas queremos cobrir esse nicho de mercado que está a crescer em outros países e para o qual também vemos possibilidades na Espanha", diz Leche Celta.

E como é que o novo produto afetará os agricultores? A Leite Celta refere que "pagaremos entre 1,5 e 2 cêntimos mais por litro acima do preço". Ou seja, entre 15 e 20 euros por tonelada.

O artigo é da Campogalego.com adaptado pelo MILKPOINT

Avalie este conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie o seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo no seu e-mail?

Receber os próximos comentários no meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento da MilkPoint.PT.

Consulte a nossa Política de Privacidade