a carregar...
Fechar
Subscreva a nossa newsletter

É só registar-se! Recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente no seu e-mail. É gratuito.

Indústria de laticínios devem ter em conta o poderoso mercado dos 'millennials'

publicado em 22-11-2017

Comente!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O texto é de Kathie Canning, editora chefe da revista Dairy Foods, traduzido pela Equipa MilkPoint

Se está cansado de ouvir sobre os millennials, não posso dizer que eu o culpo. Um novo relatório, estudo ou artigo de notícias relacionados com os millennials parece sair diariamente. Ainda assim, é fundamental para as empresas de bens de consumo (CPG) - incluindo as indústrias de produtos lácteos - estarem atentas a vários pontos.

Como os millennials representam atualmente um quarto da população dos EUA, eles representam US$ 10 triliões no poder de compra durante a vida, observou Lori Colman, co-CEO da CBD Marketing, com sede em Chicago. Uma parte significativa dos novos esforços de desenvolvimento de produtos dos processadores de lácteos, portanto, deve ser direcionada a este poderoso grupo demográfico. Mas o que, exatamente, os millennials querem?

De acordo com o “Those Maddening, Marvelous Millennials: Trends and Preferences in the Food, Beverage and Supplement Categories”, o novo relatório da CBD Marketing, eles gravitam em torno de alimentos naturais e saudáveis; sabores culturais e alimentos como escandinavo e indiano; e bebidas “better-for-you” que promovam energia, imunidade e que contribuam com a digestão. Além disso, os millennials querem preparar e cozinhar as suas próprias refeições e são adeptos à distribuição alternativa de alimentos por meio de entregas e outros serviços.

O que é que eles não querem? Alimentos sem gordura e outros alimentos relacionados com dietas; refrigerantes e sumos de frutas como maçã, cranberry e laranja. Além disso, embora os millennials adorem smoothies - um grande fator positivo para os processadores de lácteos - eles não estão tão interessados no "velho leite simples" ou nos cafés comuns de antigamente.

millenials - lácteos

Os millennials também são grandes compradores de alimentos e bebidas biológicas, de acordo com um novo estudo da Associação de Comércio Biológico de Washington, D.C. à medida que mais millennials têm filhos - 80% deles serão pais nos próximos 10 a 15 anos, prevê a OTC - a forte afinidade demográfica para o bio deverá apenas aprofundar-se.

A apetência dos millennials em relação aos biológicos caminha de mãos dadas com outra tendência que ocorre no setor de alimentos e bebidas. Esta tendência é o aumento da quantidade de consumidores socialmente conscientes, e também está sendo direcionada pelos millennials. De acordo com a CBD Marketing, os millennials querem transparência e desejam comprar a fabricantes e fornecedores com consciência ambiental.

No “2017 Top Trends in Fresh Foods Point of View", a empresa de pesquisa de mercado de Chicago, Information Resources Inc. (IRI) observa que, para muitos consumidores, a definição de qualidade de alimentos e bebidas agora vai além da lista dos ingredientes e das embalagens. "Os compradores familiarizaram-se com os rótulos dos alimentos, como ‘orgânico’, ‘não-OGM’ e ‘sem antibióticos’, e com base nas vendas em rápido crescimento nos últimos cinco anos, esses atributos são muito importantes para as decisões de compras", disse o IRI. 

"As estratégias globais de negócios terão que integrar valores culturais importantes e emergentes nas operações de negócios - e eles terão de cumprir a intensificação das expectativas dos consumidores e da indústria em geral", afirmou o IRI. "As pessoas querem transparência das marcas e empresas que escolhem apoiar; elas buscam informações e validação de suas escolhas e muitas vezes isso leva a conexões emocionais de maneira muito poderosa”.

Então, como os processadores de lácteos poderiam atender melhor às necessidades dos millennials? Além de lançar mais itens orgânicos e 'descascar as camadas' para dar aos millennials a transparência que desejam, eles podem investir no desenvolvimento de novos produtos que vão além da categoria láctea. Por exemplo, eles poderiam casar os ingredientes desejáveis pelos millennials, como chá verde, café frio ou impulsionadores da imunidade com o leite tradicional. Eles também podem explorar os produtos lácteos como componentes das refeições caseiras. Mas acima de tudo, eles devem continuar a prestar atenção aos desejos e necessidades desse importante e mega grupo demográfico por meio de de uma série de vias de comunicação, incluindo as medias sociais.

"Os millennials compartilham as suas opiniões e hábitos de compra on-line através de plataformas de redes sociais e em outros sites", afirmou Colman. "Empresas e marcas que minam esse tesouro de dados on-line serão aquelas que comercializarão seus produtos com sucesso". 

Avalie este conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie o seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo no seu e-mail?

Receber os próximos comentários no meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento da MilkPoint.PT.

Consulte a nossa Política de Privacidade