a carregar...
Fechar
Subscreva a nossa newsletter

É só registar-se! Recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente no seu e-mail. É gratuito.

Leite de pastagem diferenciado: uma tendência a nível europeu e global

publicado em 08-09-2017

Comente!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

No Fórum Económico da Galiza do ano de 2014, o economista Albino Prada apresentou um estudo com uma série de propostas para equilibrar a fraca balança comercial de Espanha em produtos lácteos, e a recomendação de "uma marca de leite de alta qualidade com pastagens" que poderia ser comercializado no retalho a cerca de € 1 para garantir ao agricultor um mínimo de € 0,40 por litro ".

A crise dos preços do leite de 2015 também acelerou o interesse de algumas indústrias a trazer para o mercado leite diferenciado baseado no pasto, adaptando-se à disponibilidade da pastagem de cada país.

O CampoGalego resume assim os vários projetos já a serem desenvolvidos em alguns países europeus:

Portugal: "Leite de pastagem de vacas felizes"

A multinacional francesa Bel lançou o seu "Programa de leite de vacas felizes - Leite de pastagem" através de sua da Terra Nostra. A matéria-prima é adquirida a cerca de 500 criadores em São Miguel, onde há disponibilidade de pastagem quase 365 dias por ano.

Para esta iniciativa, a Bel investiu 7 milhões de euros na sua fábrica nos Açores, com um objetivo de comercializar 26 milhões de litros por ano. No supermercado, o diferencial de preços também é transferido para o consumidor: assim, a título de exemplo no Continente, o leite padrão Nova Açores é de 0,69 euros, enquanto o Terra Nostra, tem um preço de 0,77 euros.

Quanto ao preço do agricultor,  a Bel paga cerca de 10% a mais por este leite aos ou seja, cerca de 3 cêntimos mais por litro . 

Holanda: o leite cru continua a crescer

Na Holanda, o leite de pastagem também é uma tendência crescente, num país que encontrou  a diferenciação do seus queijos. Assim, até o momento, cerca de 78% das explorações leiteiras cumprem um mínimo de 120 dias de pastoreio por ano, com uma taxa de 6 horas por dia. E 15 indústrias de lacticínios também estão comprometidas com o leite certificado de pastagem.

A cooperativa Friesland-Campina oferece um prémio líquido de €6,5 por tonelada para o leite de pastagem.

Alemanha: Arla Foods concorda que todo o leite será produzido sem cereais transgénicos

Na Alemanha, a quota de mercado do leite produzido sem alimentos geneticamente modificados está a aumentar diariamente. Na Baviera já representa 22% do leite recolhido pelas indústrias, que pagam aos agricultores um prémio de 8% em relação ao leite convencional.

Arla Foods, uma cooperativa que agrupa milhares de agricultores de 7 países do norte da Europa, também prometeu que todo o leite que recolhe será produzido sem OGM desde o final deste ano, com um prémio para agricultores de 10 euros por tonelada .

França: para a marca "150 dias de pastagem"

Em França, os agricultores também estão preocupados com a segmentação da produção, com leites de pastagem diferenciados que têm mais valor acrescentado. Estão preocupados com a entrada de leite biológico e pastagem da Alemanha, principalmente.

O artigo é do CampoGalego.com adaptado pela equipa MILKPOINT 

Avalie este conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie o seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo no seu e-mail?

Receber os próximos comentários no meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento da MilkPoint.PT.

Consulte a nossa Política de Privacidade