ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA PASSWORD SOU UM NOVO UTILIZADOR

Nova Zelândia está ficar sem espaço para crescer

Ao longo da última década, a indústria mundial de produtos lácteos expandiu-se significativamente, apesar das margens pequenas que afetaram os produtores de leite e dos excedentes de ofertas globais de leite em pó que pesaram sobre os preços mundiais do leite. Mas isso está prestes a mudar, disse Sarina Sharp, economista agrícola, ao Daily Dairy Report.

"Novos e atuais regulamentos provavelmente reduzirão a oportunidade de crescimento em vários pontos importantes no futuro dos lácteos, enquanto a falta de capacidade de processamento provavelmente diminuirá a expansão em algumas das antigas regiões produtoras de leite de rápido crescimento nos Estados Unidos. No entanto, a Nova Zelândia, em particular, parece estar a ficar sem espaço para crescer”.

Na estação de 2015-16, a indústria de lácteos da Nova Zelândia utilizou 1,75 milhões de hectares de terra, 32% acima dos 1,33 milhões de hectares na estação de 2000-01. O aumento do uso da terra, no entanto, está bem abaixo do salto de 43% nos números de vacas leiteiras que ocorreu durante esse mesmo período de 15 anos. "Como resultado, as pastagens leiteiras da Nova Zelândia estão agora mais densamente povoadas. E isso atraiu a ira dos grupos ambientais e da indústria do turismo, o segundo maior motor económico da Nova Zelândia depois dos lácteos".

As regulamentações ambientais mais rígidas na Nova Zelândia deverão aumentar o custo da expansão, desacelerando ainda mais o crescimento. "Os regulamentos mais rígidos do uso da terra, que entrarão em vigor nos próximos anos, já estão a ter impacto. A região de Canterbury, na Ilha do Sul, por exemplo, experimentou um crescimento mais rápido na produção de leite nas últimas duas décadas, e é a região leiteira mais densa do país, com 3,4 vacas por hectare na estação de 2015-16, mas as novas regras sobre lixiviação de estrume estão a gerar uma desaceleração nas permissões”.

Para o ano financeiro 2016-17, a região de Canterbury concedeu apenas 20 licenças para novas explorações leiteiras, de acordo com o Environment Canterbury. Esse é o menor número de licenças concedidas desde 2006-07 e 82% menos do que na estação de 2011-12, quando as novas licenças atingiram o pico de 110, disse Sharp. "As novas regras na Nova Zelândia são tão rígidas que alguns acreditam que são irrealizáveis", acrescentou ele. 

"Essas medidas drásticas são altamente improváveis, mas a expansão da indústria de lácteos claramente desenfreada está em desacordo com os objetivos dos ambientalistas e reguladores. E os limites impostos nas práticas de produção, como a posição da Fonterra contra o farelo de palma, reduzirão ainda mais a capacidade dos produtores da Nova Zelândia de responder aos maiores preços dos produtos lácteos, produzindo mais leite".

Num relatório recente chamado Sobrevive ou Prospera, o Rabobank disse que espera que o crescimento da produção de leite da Nova Zelândia diminua notavelmente nos próximos cinco anos. O investimento em novas conversões e a expansão das já existentes foram praticamente paralisados, afirma o relatório.

As informações são do https://www.milkbusiness.com, traduzidas pela Equipe MilkPoint.  

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.