a carregar...
Fechar
Subscreva a nossa newsletter

É só registar-se! Recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente no seu e-mail. É gratuito.

Estirpe probiótica da Fonterra pode ajudar a aliviar a depressão pós-parto, sugere estudo

publicado em 24-11-2017

Comente!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

As mulheres que consumiram a estirpe probiótica Lactobacillus rhamnosus HN001 durante e após a gravidez mostraram menos sintomas de depressão e ansiedade nas semanas após o nascimento do bebé, de acordo com pesquisas publicadas no EBioMedicine.

A suplementação com Lactobacillus rhamnosus HN001 reduziu os níveis de depressão e ansiedade pós-parto nas mães no período entre 1 e 2 meses após o parto. Em comparação com o placebo, o grupo suplementado também apresentou significativamente menos mães com ansiedade clinicamente significativos. A estirpe probiótica usada foi da marca registada como DR20 e SureStart LactoB 001 pela Fonterra Co-operative Group, Ltd, Nova Zelândia, que contribuiu com fundos para o estudo.

A depressão e a ansiedade pós-parto foram resultados secundários no estudo de probióticos na gravidez (PIP) realizado por pesquisadores da Universidade de Auckland e da Universidade de Otago. (O resultado do estudo primário foi a incidência de eczema nos lactentes aos 12 meses).

"As mulheres que receberam HN001 apresentaram scores significativamente menores de depressão e ansiedade no pós-parto. Este probiótico pode ser útil para a prevenção ou tratamento de sintomas de depressão e ansiedade pós-parto", escreveu a primeira autora do estudo, Rebecca Slykerman. Os resultados são significativos, pois as intervenções probióticas podem eventualmente ser usadas como cuidados de rotina para prevenir a depressão, se os testes futuros confirmarem esses resultados.

Cepa de probiótico da Fonterra pode ajudar a aliviar a depressão pós-parto, sugere estudo

Detalhes do estudo

O estudo foi um ensaio randomizado duplamente-cego controlado com placebo com 423 mulheres saudáveis da Nova Zelândia. As participantes foram randomizadas para uma dose diária de 6 bilhões de unidades formadoras de colónias (cfu) de L. rhamnosus HN001 ou para placebo. Os grupos de suplemento e placebo receberam tratamentos do recrutamento de 14 a 16 semanas de gestação até 6 meses após o nascimento dos bebés.

As mães completaram um questionário retrospectivo quando o seu filho tinha 6 meses e 12 meses de idade em relação ao seu bem-estar psicológico quando o bebé tinha 1-2 meses de idade. Os pesquisadores mediram o humor materno usando a Escala de Depressão Pós-natal de Edimburgo (EPDS) e a ansiedade usando o State Strait Anxiety Inventory 6 item version (STAI6).

Os cientistas também descobriram que "a cólica infantil estava associada a maiores valores de depressão e ansiedade". Pesquisas anteriores sugeriram que a suplementação probiótica reduzia a cólica infantil, que por sua vez estava correlacionada com a menor depressão materna. Portanto, os pesquisadores neste estudo também analisaram os resultados após o ajuste da cólica infantil como um potencial fator que podia confundir. As descobertas permaneceram inalteradas com ou sem esse ajuste.

Mais pesquisas

"Este estudo fornece evidências de que a suplementação com probióticos L. rhamnosus HN001 na gravidez e pós-parto reduz a prevalência de sintomas de depressão e ansiedade pós-parto", concluiu a equipe. Apesar dos resultados promissores, os pesquisadores, no entanto, advertiram que os benefícios induzidos por probióticos podem ser específicos dessa cepa e dependentes da dose.

"Nem todas as estirpes probióticas têm o mesmo efeito sobre a saúde e é possível que os resultados encontrados usando HN001 não sejam generalizáveis para outras cepas probióticas ou em doses mais baixas do que as utilizadas neste estudo", explicaram.

"Há muitas questões não respondidas, incluindo a escolha do probiótico, a dose e a duração do tratamento. Os probióticos podem prevenir o aparecimento de sintomas? Os probióticos poderiam ser usados como o principal tratamento para problemas de saúde mental materna ou deveriam ser usados como um tratamento adjuvante para a terapia padrão?”

Sugerindo tópicos para pesquisas futuras, a equipe destacou o potencial de tratamento terapêutico com probióticos. "Esses estudos podem incorporar marcadores inflamatórios, cortisol ou outros marcadores objetivos. Se replicado por outros estudos, este probiótico pode ser útil para a prevenção ou tratamento de sintomas de depressão e ansiedade”.

As informações são do Dairy Reporter, traduzidas pela Equipa MilkPoint.

Avalie este conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie o seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo no seu e-mail?

Receber os próximos comentários no meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento da MilkPoint.PT.

Consulte a nossa Política de Privacidade