ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA PASSWORD SOU UM NOVO UTILIZADOR

EUA: Investigadores avaliaram quais seriam as consequências económicas do fim do uso de antibióticos

Os produtores de leite usam antibióticos para manter os seus efetivos saudáveis, mas, ao mesmo tempo, estes tratamentos podem ameaçar a saúde pública através de bactérias resistentes a essas medicações. Embora o impacto quantitativo de tais antibióticos em humanos não seja completamente compreendido, um novo estudo da Universidade de Cornell identificou o custo financeiro que a eliminação do uso de antibióticos teria nas explorações leiteiras dos EUA - uma descoberta que poderia ajudar a orientar a política regulamentadora.

O estudo, The Farm Cost of Decreasing Antimicrobial Use in Dairy Production (http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0194832), publicado no PLOS One em março, mostra que o custo de dispensar antibióticos nas explorações leiteiras seria em média de US$ 61 por vaca anualmente.

"Se os consumidores ou políticos quisessem implementar a produção de leite livre de antibióticos, não seria um alto custo para os produtores, no entanto é natural que exijam uma compensação", disse Guillaume Lhermie, autor principal e aluno de pós-doc da Faculdade de Medicina Veterinária de Cornell. "Queríamos ver o que ganharia e o que perderíamos com esse tipo de regulamentação".

O artigo faz parte de um projeto maior, financiado pelo Fundo de Risco Académico do Centro Atkinson para um Futuro Sustentável, no qual uma equipa interdisciplinar está a analisar o impacto de regulamentações que visam reduzir o uso de antimicrobianos na pecuária. O objetivo é criar um modelo sustentável que proteja a saúde humana e animal, bem como os meios de subsistência dos produtores.

Como essa questão tem variáveis, a equipa está a adotar uma abordagem sistémica que envolve investigadores em epidemiologia, sociologia do desenvolvimento e economia agrícola e de saúde, disse a universidade em um artigo do "Cornell Chronicle".

"Essa questão de resistência antimicrobiana não é apenas uma questão básica de ciência", disse Yrjö Gröhn, professor de epidemiologia e pesquisador principal da James Law. "É necessário incluir esses conceitos sociais, os comportamentos e a economia das pessoas se realmente quiser resolvê-los e causar um impacto na sociedade."

Para examinar o efeito de limitar o uso de antibióticos na produção de leite, Lhermie e Gröhn, juntamente com Loren Tauer, professor da Escola de Economia e Gestão Aplicada Charles H. Dyson, de Cornell, construiram um efetivo leiteiro de 1.000 vacas e calcularam um nível médio das nove doenças bacterianas mais frequentes das vacas leiteiras encontradas nos países ocidentais. Os pesquisadores então a calcular os custos líquidos de proibir o uso de antimicrobianos, bem como os cenários envolvendo diferentes preços de tratamento e períodos de retirada do leite.

Eles determinaram que o custo de proibir o uso de antimicrobianos seria, em muitos casos, relativamente menor - US $ 61 por vaca por ano - desde que os regulamentos não ameacem a sustentabilidade da produção de leite, informou a universidade.

Os pesquisadores pretendem estender esse modelo para incluir a produção de carne suína, aves e carne bovina.

Gröhn enfatizou que, além de tais impactos financeiros, a equipe também levou em consideração o bem-estar animal. "Você simplesmente não pode decidir não tratar animais para doenças", disse ele. "Isso é antiético".

À medida que o projeto avançar, a equipa vai-se focar nas consequências para a saúde e na análise de custo/benefício do uso de antibióticos na agricultura animal.

“Eu acho que a verdadeira motivação para este estudo é que, como sociedade, enfrentamos difíceis escolhas. Tal como o velho ditado: "Não existe almoço grátis"? Não existe um hambúrguer grátis”, disse Donald Kenkel, professor da Joan K. & Irwin M. Jacobs de análise e gestão de políticas e pesquisador co-primário. Então, temos que fazer essa escolha difícil”.

Kenkel continuou: “Estamos preocupados com a saúde humana, estamos preocupados com a saúde animal e estamos preocupados com a produtividade agrícola. Como podemos fazer concessões quando políticas que podem ser boas para a saúde animal e a produtividade agrícola podem prejudicar a saúde humana? É o que a análise de custo/benefício está tentando criar: uma maneira de quantificar essas compensações”.

O projeto visa educar os políticos para que possam tomar decisões informadas sobre a sustentabilidade do uso de antibióticos. Lhermie e Kenkel apresentaram recentemente sua pesquisa na reunião anual da Society for Benefit-Cost Analysis em Washington, DC. O evento - que aborda questões de energia, transporte, saúde humana e agricultura - contou com a participação de economistas, acadêmicos e representantes de organizações governamentais e não-governamentais.

"A resistência aos antibióticos não reconhece fronteiras", disse Lhermie. “Ela pode viajar dos EUA para qualquer lugar do mundo e vice-versa, portanto há uma escala de tempo, mas também uma escala geográfica a ser considerada. Sabemos que haverá consequências em outros países, então há questões globais que também são importantes.”

 

As informações são da Feedstuffs.

 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.