a carregar...
Fechar
Subscreva a nossa newsletter

É só registar-se! Recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente no seu e-mail. É gratuito.

Probióticos: hóspedes temporários

Por Adriane Elisabete Antunes de Moraes
publicado em 07-08-2015

12 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

* Artigo Original MilkPoint Indústria

Pressupondo que um individuo nasce após 9 meses de gestação, que o seu nascimento foi por parto normal, que recebeu apenas leite materno e por ter boa saúde não necessitou de tomar antibióticos até o primeiro ano de vida. Dentro deste cenário ideal, o seu intestino seria colonizado preferencialmente por bactérias "boas" como lactobacilos (bactérias que podem ser isoladas do leite materno ou do leite de vaca) e bactérias bífidas (que quando observadas ao microscópio têm o formato da letra Y).

Cada um dos fatores acima descrito é decisivo para determinar os grupos de bactérias que irão chegar ao nosso intestino e lá se estabelecerem. Mas mesmo dentro destas condições ideais de chegada ao mundo, alimentação e saúde, acontecerá uma diversificação desta comunidade de microrganismos ao longo dos ciclos da vida sendo que alguns “maus elementos” passarão a fazer parte do grupo. Exemplos disso são bactérias que produzem substâncias putrefativas e outras que eventualmente podem causar doenças. Bons e maus irão conviver em um equilíbrio dinâmico que pode ser quebrado em algumas situações e aí observamos problemas de constipação, diarreia e por aí fora... É como um jogo de xadrez, ou de futebol; temos equipas diferentes que se enfrentam constantemente...

Ao longo da vida e, mais especificamente, durante o envelhecimento, vamos perdendo soldados bons e eventualmente os maus elementos passam a predominar. A boa notícia é que a indústria de alimentos, mais especificamente a de laticínios, tem agregado bactérias boas (que chamamos de probióticos) em alguns de seus produtos.

Todos sabemos que se empregam algumas culturas de microrganismos (bactéria, leveduras ou bolores) para obtenção de vários tipos de alimentos (iogurte, vinho, vinagre, pão, cerveja, queijos, etc.). Mas vale a pena destacar que “probióticos” são microrganismos específicos, que apresentam capacidade de sobreviver ao processo de digestão e que se vão estabelecer (mesmo que por pouco tempo) no nosso intestino. Estas culturas têm sido estudadas cuidadosamente e acrescidas em alguns produtos, especialmente aos lácteos. O carro chefe da adição de probióticos em todo o mundo são os iogurtes e os demais leites fermentados, mas outros produtos lácteos também podem ser encontrados no mercado. No Brasil os produtos lácteos probióticos estão mais restritos aos iogurtes e  os demais leites fermentados, certos tipos de queijos e algumas fórmulas lácteas infantis; mas no mercado internacional outros lácteos probióticos são comercializados, como leite não fermentado, sorvetes, manteiga, buttermilk e o kefir.

Desta forma, existem produtos lácteos que são bons aliados da nossa saúde geral por aportarem bactérias boas ao nosso intestino. Porém, é importante saber que tais culturas de microrganismos não se tornarão hóspedes permanentes, pelo contrário. Depois do consumo de um produto contendo probióticos, essas culturas ficarão conosco por no máximo 2 semanas. Por isso a recomendação é que se faça um consumo regular (de preferência diário) de produtos probióticos, o que garante um aporte constante de "bons soldados". Muitos destes produtos são comercializados na porção "certinha" de consumo, ao que se chama de “dose diária”. Isto significa dizer que é mais interessante para a nossa saúde consumir aquela porção diariamente do que consumir uma grande quantidade de uma só vez e fazer um grande intervalo até consumir novamente.

Ficam as dicas: escolha bons hóspedes para seu intestino! Renove as reservas constantemente! 

Avalie este conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

tito

Campinas - São Paulo - Brasil - Produção de leite
postado em 06-08-2015

Olá, poderia nos dar um exemplo de algum produto e o probiotico correspondente? Como ter essa informação?

Adriane Elisabete Antunes de Moraes

Limeira - São Paulo - Brasil - Pesquisa/ensino
postado em 06-08-2015

Olá Tito

Sim, dois exemplos:
Yakult - Lactobacillus casei Shirota
Activia - Bifidobacterium animalis 173 010

A informação está no rótulo dos produtos.

Cordialmente

Adriane

Paulo R.C.Cordeiro

Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil - Indústria de laticínios
postado em 07-08-2015

Adriane
Parabéns, pela simplicidade/didática do texto e otimas informações a respeito de uma boa alimentação.

Adriane Elisabete Antunes de Moraes

Limeira - São Paulo - Brasil - Pesquisa/ensino
postado em 07-08-2015

Obrigada Sr. Paulo!

Suas palavras me dão renovado incentivo neste trabalho.

Cordialmente

Adriane

Ciro Araujo

Goiânia - Goiás - Brasil - Estudante
postado em 10-08-2015

Parabéns pelo trabalho.
Curiosidade, na época da escola, os professores diziam que os "Lactobacillus" não sobreviviam por muito tempo no nosso organismo e que os benefícios não eram tão grande ao ponto de incluirmos na dieta tais produtos. A que ponto isso tem fundamento?
Quais bactérias benéficas poderia ser incluídas na dietas dos bezerros?

Adriane Elisabete Antunes de Moraes

Limeira - São Paulo - Brasil - Pesquisa/ensino
postado em 10-08-2015

Olá Sr. Ciro

Essa informação procede! Muitos lactobacilos não tem a capacidade de sobreviver por muito tempo nas condições extremas de acidez do estômago e/ou na presença de sais biliares. Assim sendo, se faz necessária a seleção de culturas que tenham essa capacidade.
Para dietas de bezerros será necessário consultar um zootecnista; porque sou nutricionista e só entendo de nutrição humana.

Cordialmente

Adriane

Jair Jorge Leandro

OUTRA - OUTRO - Brasil - Indústria de laticínios
postado em 10-08-2015

Texto limpo, conciso, claro e objetivo. Parabéns, Adriane.

Adriane Elisabete Antunes de Moraes

Limeira - São Paulo - Brasil - Pesquisa/ensino
postado em 10-08-2015

Obrigada Sr. Jair!

Suas palavras me motivam ainda mais!

Cordialmente

Adriane

Celcidina Pires Gomes

OUTRA - OUTRO - Brasil - Pesquisa/ensino
postado em 03-06-2016

Parabéns pelo artigo! E bem explicado !

Juliana S W

São Paulo - São Paulo - Brasil - Indústria de laticínios
postado em 26-04-2017

Boa tarde!
Poderia informar as culturas que têm capacidade de sobreviver nas condições extremas do corpo humano?

Adriane Elisabete Antunes de Moraes

Limeira - São Paulo - Brasil - Pesquisa/ensino
postado em 27-04-2017

Bom dia Juliana

Existem no Brasil diversas empresas que fornecem culturas probióticas para inclusão em alimentos (como Chr-Hansen, Sacco, Danisco, Kerry, entre outras). As cepas comercializadas com alegação de probióticas são testadas para sobrevivência por testes de digestão simulada.
Também existem probióticos que são vendidos como "suplementos alimentares" e que devem igualmente passar por testes de sobrevivência antes de serem liberados para comercialização.
Você pode entrar em contato com as empresas fornecedoras e pedir para eles passarem informações sobre os estudos conduzidos para as culturas vendidas por eles.  

Cordialmente

Adriane

Sergio Chavez

Ucacha - Cordoba - Argentina - Indústria de laticínios
postado em 30-04-2017

Juliana SW
El organismo humano de acuerdo a su alimentacion diaria, y a su sustrato grastrointestinal, tiene o acepta a determinadas bacterias probioticas, porque las personas que consumen bebidas alcoholicas, demasiado cafe, no tienen un buen sustrato de prebioticos en sus intestinos y por ellos a las bacterias probioticas tienen dificultad en desarrollarse. Cuando se consumen verduras como achicoria, se forma un importante entramado donde se fijan con facilidad las bacterias probioticas. Como es un tema dificil de explicar en pocas palabras te dejo 2 enlaces que te pueden ilustrar y quedo a tu disposicion.
[PDF]Probióticos en los alimentos - FAO
www.fao.org/3/a-a0512s.pdf
1.     Probióticos: resistencia gastrointestinal y microencapsulación - Udlap
www.udlap.mx/WP/tsia/files/No4.../TSIA-4(2)-Rodriguez-Guerrero-et-al-2010.pdf

Quer receber os próximos comentários desse artigo no seu e-mail?

Receber os próximos comentários no meu e-mail

Envie o seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento da MilkPoint.PT.

Consulte a nossa Política de Privacidade