ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA PASSWORD SOU UM NOVO UTILIZADOR

Margens apertadas e mau tempo afetaram a produção global de leite em 2018

O Rabobank publicou o seu relatório trimestral sobre o setor de lácteos, que afirma que os EUA tiveram apenas 1% de crescimento na produção de leite em 2018, o menor crescimento anual desde 2013 no quarto trimestre de 2018. A produção de leite também caiu na União Europeia (UE) e na Austrália no ano passado, mas subiu na Nova Zelândia, América do Sul e China.

A qualidade e a quantidade de ração na produção de leite foram mais severamente afetadas pelassecas na Europa e na Austrália em 2018, causando um crescimento estagnado. Os EUA também registaram seus piores níveis com relação ao ano anterior em cinco anos.

O número de efetivos ainda está a encolher nas três regiões, de acordo com o relatório do Rabobank, em resposta ao aumento dos custos e aos baixos preços do leite. Espera-se que isso continue em 2019, particularmente na Austrália e com a consolidação de explorações nos EUA.

O efetivo leiteiro dos EUA estava em 9,365 milhões de cabeças em outubro, abaixo do pico de 9,404 milhões em maio e 30 mil a menos em comparação a outubro de 2017.

Risco pendente

A perspectiva da indústria global é incerta ao considerar fatores geopolíticos, como as negociações em andamento do Brexit, a crescente guerra comercial entre os EUA e a China e a queda dos preços do petróleo, segundo o Rabobank.

As regiões leiteiras chamadas de “Big 7” (EUA, UE, Nova Zelândia, Austrália, Brasil, Argentina, Uruguai) enfrentam um mercado contencioso em 2019. O Rabobank prevê um “crescimento lento e muito modesto da produção de leite” para o próximo ano nos principais mercados de exportação.

O maior risco pendente é que o mercado se mova rapidamente para cima e surpreenda os compradores no primeiro semestre de 2019 devido aos baixos stock e à procura firme.

Efeitos prolongados da guerra comercial

Os preços do queijo e do soro do leite nos EUA foram pressionados em 2018, devido às guerras comerciais do presidente Donald Trump com a China e o México. É provável que isso continue e que os preços caiam ao longo de 2019 até que as tarifas de retaliação sejam removidas, prejudicando, em última análise, os produtores dos EUA, disse o relatório.

Enquanto isso, o volume de vendas no retalho de todas as principais categorias de laticínios diminuiu nos EUA desde 2017, excluindo o queijo natural. As vendas de queijo processado caíram em 4,1%, de iogurte em 3,4% e de leite fluido em 2%.

O Rabobank adverte que os sinais de uma desaceleração económica são evidentes nos EUA, e precisará de continuar a apoiar-se no crescimento das exportações para compensar as baixas procuras domésticas de lácteos.

O crescimento das importações na China deverá melhorar a um ritmo de dois dígitos em 2019. Os preços médios do leite subiram 3,5% entre o 4º trimestre e o 3º trimestre de 2018, e a procura por produtos lácteos em toda a China continua a crescer.

Incertezas que cercam a economia geral da China são comuns devido às dificuldades comerciais em curso com os EUA. Como resultado, o país voltou a ter um crescimento de dois dígitos nas importações em outubro, pela primeira vez em cinco meses, depois de um verão tenso de disputas comerciais de ida e volta. O Rabobank espera que a China tenha uma necessidade de importação de 11% em 2019, com menos crescimento da produção. As informações são do Dairy Reporter.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.