FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA PASSWORD SOU UM NOVO UTILIZADOR

Rabobank prevê elevação no preço de lácteos em 2016

Os preços dos lácteos, em queda no mercado internacional, devem começar a reagir em meados do próximo ano, prevê o Rabobank. Num relatório sobre o mercado, os analistas Tim Hunt, Tom Bailey e Michael Harvey dizem que os preços mais baixos desses produtos no mercado chinês limitarão o crescimento da produção no país.

Como a procura interna está a crescer, os stocks devem diminuir e a China precisará de importar mais, dizem os analistas. Na Nova Zelândia, as companhias, nomeadamente a Fonterra, devem liderar o ajuste de oferta entre exportadores, reduzindo os  preços pagos aos produtores e, por consequência, o leite disponível na temporada 2015/2016.

A desvalorização dos lácteos nos Estados Unidos e na União Europeia também contribuirá para redução da oferta internacional. Por fim, os stocks formados a valores baixos farão processadores reduzirem preço também ao consumidor, o que deve reativar a procura. Até agora, o mercado global segue bastante pressionado.

A Global Dairy Trade (GDT), plataforma online de vendas desenvolvida pela Fonterra, registou uma série de dez leilões entre março e agosto deste ano com preços em queda. Neste período, o valor médio dos lácteos comercializados cedeu 46% e atingiu US$ 1.815 por tonelada em 4 de agosto. O primeiro sinal de recuperação veio no de terça-feira (18/8), quando os valores médios subiram 14,8%, a US$ 1.974 por tonelada.

O leite em pó também avançou, mas segue 48% abaixo do valor verificado no início de março, a US$ 1.521 por tonelada. "A extensão do colapso (de preços), para a maior parte da indústria, superou expectativas. O leite em pó negociado entre US$ 1.400 e US$ 1.500 por tonelada há anos é encarado como uma coisa do passado", afirmam os analistas do Rabobank.

Os participantes do mercado previam que uma combinação de procura crescente por lácteos nos países emergentes e alta dos custos para a recolha do leite impediriam preços tão baixos. A situação na China foi determinante para o atual quadro.

No ano passado, o país começou a cortar as suas importações em resposta à menor procura nacional e passou a abastecer o mercado com a produção doméstica, que cresceu. A China também acumulou grandes stocks da commodity. Além disso, em agosto de 2014 a Rússia baniu as importações da União Europeia e de outros fornecedores, o que reduziu o mercado para alguns exportadores.



As informações são do Estadão Conteúdo.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

PAULO FERNANDO GOMES PAIS E SILVA

ESTARREJA - AVEIRO - INSTITUIÇÃO PÚBLICA

EM 31/08/2015

Boa noticia, isto é, se o preço do litro de leite na produção acompanhar esta reação positiva. É bom que se preocupem com a produção, pois fizeram-se elevados investimentos para se alcançar a qualidade e agora está na hora de ajudar. Portugal tem boa qualidade e tem explorações ao nível europeu. Os Produtores cumpriram com as suas responsabilidades, não os deixem desistir.

Um abraço.

Paulo Silva.