FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA PASSWORD SOU UM NOVO UTILIZADOR

Inativação de fungos e leveduras nas silagens

*Artigo original MilkPoint Brasil por Maria Regina Flores, proprietária da Kera Nutrição Animal

Utilização da bactéria propionibacterium acidipropionici na estabilização aeróbica de silagens
 
Na conservação das silagens, está comprovado que a descida rápida do pH e a conservação das mesmas após a abertura dos silos são fatores essenciais na diminuição das perdas da Matéria Seca, na palatabilidade e na sanidade das silagens.

A descida rápida do pH esta associada às bactérias lácticas homoláticas (ou homofermentativas) e a uma contagem suficientemente alta das mesmas. A sua principal função é impedir o desenvolvimento dos clostrídios presentes na forragem e a consequente fermentação butírica.

A conservação da silagem após a abertura do silo depende essencialmente de uma perfeita compactação, como forma de impedir o desenvolvimento de fungos e leveduras, que consomem MS, elevam a temperatura e produzem micotoxinas.

Quando a uma compactação perfeita é impossível, a conservação dependerá de substancias que bloqueiem o crescimento de fungos e leveduras ( que são fungos unicelulares).

Sabemos que os ácidos gordos de cadeia curta possuem ação fungistática. Dentre estes ácidos, interessam-nos o acético e o propiónico. Sabemos também que o acido propiónico é quinze vezes mais potente como agente fungistático que o acido acético. Portanto, podemos dizer que para obtermos o efeito fungistático de 1 grama de ácido propiónico necessitariamos de 15gramas de ácido acético.

Algumas bactérias chamam atenção ao estudá-las: Lactobacillus plantarum e Pediococcus acidilacticci pela sua atuação na descida rápida do pH; e Propionibacterium acidipropionici na utilização do acido láctico para produção de acido propiónico e acético: ambos são produzidos por ela numa proporção de 2 gramas de ácido propriónico para 1grama de ácido acético .

A eficiência destas bactérias em em condições de investigação ou de campo, está demonstrada há mais de 20 anos em diferentes silagens.

Resultados comprovados:

1) Fazenda Tambo das Pedras – Três Pontas/a MG

Para avaliar a estabilidade aeróbica e a perda da MS utilizou-se uma preparação bacteriana composta por Pediococcus acidilacticci e Propionibacterium acidipropionici numa contagem de 200.000 UFC/grama em silagem de milho que, após o período de fermentação, foi exposta ao ar .

Avaliação dos resultados:



É evidente na tabela que o inoculante diminui a perda de MS em 30,4% relativamente à silagem de controlo e aumentou em 18 horas a estabilidade aeróbica.

2) Os investigadores da J. Dairy Science ( 81: 1015-1021), T. E Dawson, S.R.Rust, M.T. Yokoyana do Depto Animal Science da Michigan State University avaliaram os efeitos de uma bactéria produtora de acido propiônico, Propionibacterium acidipropionici, na fermentação e estabilidade aeróbica de silagem de milho grão úmido. Eles concluíram que a mesma aumentou o teor de ácido propiónico relativamente com uma silagem não inoculada na proporção de 0,35 VS. 0,03gr./100gr de MS, além de possuir maior teor de ácido acético, menor pH, menor contagem de fungos, leveduras, bactérias aeróbicas e matéria seca mais alta.

Após ficar cinco dias exposta ao ar, a silagem inoculada não subiu a temperatura, apresentou 0,61 gramas de acido propiônico por 100 gramas de MS vs.“zero” gramas na silagem não inoculada, e a matéria seca foi mais alta.

3) O Dpto Animal Science da Faculty of Agriculture de Bursa, Turquia, publicou no Jornal of Applied microbiology ( 2004 – 97- 818 – 826) uma análise sobre a eficiência da inoculação com Propionibacterium acidipropionici na estabilidade aeróbica de silagens de milho, sorgo e trigo, comparadas a silos controlo. Após o período de fermentação as silagens foram expostas ao ar.

As silagens inoculadas com Propionibacterium acidipropionici apresentaram maiores teores de acido acético e propiónico; a contagem de fungos e leveduras foi menor, bem como a produção de CO2 e a estabilidade aeróbica foi maior.

Na conclusão os mesmos investigadoress relatam: “Propionibacterium acidipropionici foi muito efetiva na proteção de silagens de trigo, sorgo e milho expostas ao ar, o que demonstra que as condições ácidas do silo foram benéficas para esse micro organismo”.

Como dito anteriormente, a utilização de bactérias com propriedades fungistáticas é aconselhada sempre nas silagens de grão húmido/hidratado; em forragens, a sua utilização somente é necessária quando seja impossível garantir uma perfeita compactação do silo.

Observação:

Ao selecionar bactérias produtoras de ácido propiônico, observe que sejam da espécie Propionobacterium acidicipropionici. Há vários trabalhos publicados que demonstram a ineficiência da propionibacteriun freudenrichi, por exemplo, e a razão é simples: esta bactéria inativa-se a pH 5,2 e não tolera, portanto, o baixo pH de uma silagem, que varia entre 3,8, e 4,0.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.