FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA PASSWORD SOU UM NOVO UTILIZADOR

Melhorar o rendimento da silagem com inoculantes e conservantes

*Baseado no artigo de Mário Garcia, gestor técnico de conservantes e inoculantes da 3F

Maximizar o rendimento dos recursos é um factor-chave para reduzir os custos de produção. Um dos processos anuais das explorações onde se pode ganhar ou perder muito dinheiro é na qualidade da silagem.

Processo de silagem

Deve ser lembrado que a produção de silagem consiste em conservar forragens húmidas e, portanto, para alcançar a máxima qualidade nutricional e sanitária assim como minimizar perdas de matéria seca, é necessário conseguir a ausência de oxigénio (anaeróbico), o máximo de tempo para a maior quantidade de forragem possível.

Na ausência de oxigénio, as bactérias fermentam os açúcares e o amido da forragem e convertê-lo em ácido láctico, ácido acético, etanol e dióxido de carbono, acidificando a silagem, impedindo assim a sua deterioração. O processo de silagem é dividido em quatro etapas principais:

1) Fase aeróbica, desde a colheita até que se alcance a anaerobiose. Esta fase deve ser a mais curta possível (no máximo 24 h). Quanto mais tempo levar a que a forragem atinja a anaerobiose, mais tempo está a respirar e consequentemente, maiores serão as perdas de matéria seca e de energia.

2) Fase anaeróbica, uma vez alcançada a anaerobiose, o silo fica estabilizado aproximadamente 14 dias após o seu fecho, isto se tudo correr bem. Nesta fase, as primeiras horas são críticas. De facto, para minimizar as perdas de matéria seca, é fundamental conseguir que o pH da massa de forragem diminua até obter o pH de conservação (4 ou menos), nas primeiras 48 horas após o fecho do silo.

3) Fase de estabilização, se tudo correr bem, a forragem encontra-se no pH de conservação. Recomenda-se que esta fase não dure menos de 14 dias, e, portanto, que não se abra o silo durante um período de 28 dias após ter sido fechado.

4) Etapa de abertura, nesta fase, a massa de forragem é novamente exposta ao oxigénio, sendo a proliferação de leveduras e de fungos o maior risco, levando por sua vez a aquecimentos na forragem. Este crescimento fúngico é acompanhado por uma consequente perda de energia, proteína e de matéria seca total da silagem, bem como a ocorrência de micotoxinas, com um efeito direto no aparecimento de mastites e à deterioração dos parâmetros reprodutivos do efectivo.

Embora pareça que o processo é simples na teoria (colher, compactar e fechar), o seu bom desempenho na prática é muito mais complicado devido à multiplicidade de fatores envolvidos: tipo de forragem e variedade, matéria seca da forragem, condições climáticas no momento da ensilagem, altura do corte da forragem, quantidade de grão esmagada e partida, fase de crescimento de forragem, compactação da forragem, tipo de silo, tipo de plástico, o grau de fecho do silo, a gestão da silagem, o tipo de conservantes e inoculantes assim como o seu modo de aplicação.

Inoculantes e Conservantes

Os inoculantes são produtos baseados em combinações de diferentes bactérias lácticas que são adicionados à forragem para garantir e controlar a fermentação da silagem, que por outro modo, dependeria da flora que a forragem pode transportar e que normalmente nunca é suficiente para se obter o controlo da fermentação adequada em todas as suas fases.

Os inoculantes como seres vivos anaeróbicos que são, para poderem trabalhar requerem um substrato suficiente e adequado (amido e açúcares), e ausência total de oxigénio. Portanto, a aplicação de inoculantes não isenta de realizar as práticas adequadas na silagem. Um produtor que realizou corretamente o processo de silagem, com a aplicação do inoculante controla a fermentação e melhora a qualidade higiene-saúde e nutricional da silagem, bem como minimiza a perda de matéria seca por processos prejudiciais, tais como, a respiração, a podridão ou o aquecimento produzido por fungos e leveduras.

O produtor que investe dinheiro em sementes, fertilizantes, colheita, transporte, compactação, plásticos, etc., pode melhorar a garantia de uma fermentação adequada em todas as fases da silagem se aplicar correctamente um inoculante adequado.

Os aspectos-chave de um inoculante são os seguintes:


1) Uma alta concentração de bactérias lácticas por kg de silagem.

2) Obtenção de uma rápida fermentação no início da fase anaeróbica. Por conseguinte, é importante que a inoculação tenha uma concentração elevada de bactérias lácticas homofermentativas (Lactobacillus plantarum, Enterococcus faecium), com elevada produção de ácido láctico, e com pH óptimo de trabalho sequencial, para que o pH baixe rapidamente nas primeiras horas, levando a massa forrageira rapidamente ao pH de conservação, reduzindo drasticamente as perdas de matéria seca total (até 10%).

3) Assegurar que, durante a fase de estabilização, a própria massa da forragem produza conservantes químicos, tais como ácido acético e ácido propiónico, que controlem o crescimento de fungos e leveduras a partir do interior. Este inoculante deve incluir na sua composição bactérias lácticas heterofermentativas (Lactobacillus buchneri), que além de produzir ácido lático, produzem estes conservantes químicos. Estas bactérias heterofermentativas, são fundamentais para os inoculantes destinados à produção de Pastone, onde o maior risco é o aquecimento por crescimento de fungos pelas suas características especiais de produção.

4) O sistema de medição dos inoculantes deve ser adequado para a obtenção de uma homogeneidade razoável, pelo que se recomenda que a dose mínima de solução aquosa que o inoculante contém, não seja inferior a 0,5 litros por tonelada de forragem.

Finalidade dos conservantes

Os conservantes, são aditivos compostos por diferentes moléculas químicas, cuja utilização na silagem é necessária quando alguns fatores não são os adequados e impeçam os inoculantes de poderem funcionar corretamente, como por exemplo:

1. Pouco substracto na forragem: se a silagem é produzida com excesso de humidade (<28%), com uma forragem num baixo estado maturação, ou com uma forragem com poucos açúcares (p/ exemplo: ray-grass, trevo ou luzerna), as bactérias lácticas têm pouco substrato onde trabalhar e, portanto, demorarão muito tempo para atingir pH de conservação, o que resultará em perdas globais de matéria seca, energia, proteína e um alto risco de podridão. Sob tais circunstâncias, é recomendado adicionar conservantes químicos compostos principalmente em ácido fórmico para obter directamente o pH de conservação.

2. Anaerobiose não alcançada: quando a forragem não está devidamente compactada (lotes de pequenos silos, enchimento de silo muito rápido, trator compactador com pouco peso, feno muito seco (parte superior e laterais dos silos), ou a frente da silagem é consumida lentamente. Em tais casos, existe oxigénio na massa da forragem, e, portanto, o risco de crescimento de fungos, de aparecimento de zonas de aquecimento e de produção de micotoxinas. Sob tais circunstâncias, devem ser tratados com conservantes químicos baseados principalmente em ácido propiónico, que controlam directamente o crescimento de leveduras e fungos. Assim, em lotes de pequenos silos, ou quando se tem recolhido o excesso de forragem de matéria seca, convém aplicar conservante químico em toda a massa de forragem em vez de aplicar inoculante. Em todos os silos, antes do fecho, devemos aplicar um conservante químico nas últimas três camadas, uma vez que é uma zona aeróbica de risco por falta de compactação. Além disso, se for observado um aquecimento na parte da frente quando a silagem é consumida, deve-se pulverizar com estes conservantes na frente correspondente à porção consumida em cada dia.

Para estas situações existem formulações comerciais de baixo risco e volatilidade, que permitem a adição na forragem de forma controlada de produtos de alta concentração de ingrediente ativo.

Conclusões


1. Uma correcta silagem requer um substrato adequado, uma total ausência de oxigénio, é necessário trabalhar o melhor possível em todas as fases de produção (desde a sementeira até à sua utilização diária).

2. Os inoculantes e conservantes são uma ferramenta fundamental para alcançar uma boa qualidade nutricional e sanitária da forragem, bem como para reduzir as perdas globais de matéria seca, que podem vir a ser muito grandes.

3. Os inoculantes garantem a fermentação quando as condições são adequadas, minimizando perdas de matéria seca, melhorando a qualidade nutricional e sanitária da forragem.

4. Os conservantes químicos são imprescindíveis quando as condições não são apropriadas, ajudando na obtenção do pH de conservação quando o substrato é fraco, minimizando o risco de podridão. Também evitam a deterioração fúngica da forragem quando a anaerobiose não está completa.

Fonte: Artigo originalmente publicado no site da Associação Agrícola S. Miguel tendo sido adaptado pela equipa do MilkPoint

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.