FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA PASSWORD SOU UM NOVO UTILIZADOR

Sabe o que procurar quando escolhe a semente para a sua silagem?

Você sabe o que procurar no momento de escolha de híbridos para a produção de milho para grão? - coisas como a produção de grão, a homogeneidade, maturidade e resistência a pragas - mas e para a silagem? Para onde deve olhar no caso da silagem?

Como acontece com qualquer seleção de sementes, provavelmente, nada é mais importante que a seleção de um híbrido que está bem adaptado à sua terra. Se não crescer bem na sua região, nenhum dos seus outros atributos será de grande valor.

Em geral, os híbridos para a silagem devem ter uma maturação mais tardia que os híbridos para produção de grão, de modo a obter o maior rendimento. Certamente, no caso de situações particulares estas recomendações podem ser diferentes. Por exemplo, em campos de silagem que são semeados depois de campos de cereais a sua estação de crescimento vai ficar reduzida. Ou, no caso da época de colheita tender a durar várias semanas, em que a consequência são diferentes estágios de maturação no momento efectivo da colheita.

Antes de explorar outras características dos híbridos para silagem, é sábio averiguar a espécie animal e a aptidão ou estágio produtivo deste, que será alimentado com a silagem e quais as expectativas que tem para a produtividade dessa silagem. Por exemplo, se pretende alimentar vacas leiteiras durante o período de secagem ou vacas aleitantes o objectivo principal poderá ser a tonelagem.

Excepto em casos muito particulares como o exemplo anterior, na maioria das silagens a quantidade de grão é um dos factores mais determinantes, influência o poder energético da silagem, a quantidade de matéria seca e por consequente a tonelagem final. Não deve ser esquecido que não só é importante a quantidade como também a qualidade. É do maior interesse que o amido disponibilizado pelo grão seja de fácil digestão pelos animais que queremos alimentar.
Na sua pré análise use dados que fornecem a produção da silagem, bem como comparações de produtividade do grão e da planta em si, pois entre as várias variedades existem diferenças significativas no que respeita o rendimento total da planta na silagem.

Historicamente, pensava-se que os híbridos de elevada produção de grão produziam quase sempre a melhor silagem. Tornou-se claro nos últimos anos que o valor nutritivo da silagem feita a partir de híbridos com rendimentos de grão quase idênticos (sempre elevados) podem ser muito diferentes. Características dos grãos, componentes forrageiras e o tipo de animal que irá ser alimentado, todos estes factores desempenham um papel muito importante na determinação de qual o híbrido que irá fornecer os melhores resultados de alimentação.

Algumas características que são desejáveis para a colheita de grão podem ser menos desejáveis para a produção de silagem. Uma secagem rápida pode encurtar a janela de ensilamento para conseguir que o índice de humidade seja o ideal. Grãos demasiado rígidos na sua composição podem precisar de um processamento adicional para impedir uma passagem excessiva para as fezes sem conseguir o máximo aproveitamento.

Algumas das maiores diferenças entre os híbridos podem estar nos componentes forrageiros, como a digestibilidade, a fibra neutro detergente (NDF) e a digestibilidade da NDF. A NDF total e a sua digestibilidade afetam o consumo da ração e, como consequência, a produção e a produtividade.

Diferenças da fibra vêm de várias características. Por exemplo, produtores e investigadores de milho têm aproveitado várias características genéticas para reduzir também a concentração de fibras e aumentar a digestibilidade da fibra. Uma característica vem da BMR (Brown MidRib) conhecido como o gene castanho da nervura central. Híbridos com o gene BMR aparentam produzir menos lignina do que os híbridos convencionais. Isto aumenta a digestibilidade da fibra e melhora a ingestão e o aproveitamento pelo animal. Os rendimentos dos híbridos com a característica BMR inicialmente eram muito menores que dos híbridos convencionais, mas cada vez mais se aproximam dos valores expectáveis.

Obviamente, há muitas características e fatores a considerar na escolha de híbridos de milho para silagem: adaptabilidade, maturidade, homogeneidade, tonelagem, espécie de animal a alimentar, textura e rigidez do grão, teor de amidos e digestibilidade, BMR, teor de fibra e digestibilidade da fibra. Para determinar o que é melhor para a sua exploração nas suas particulares condições de trabalho e funcionamento, use dados de ensaios comparativos reais de universidades ou outras fontes fidedignas, bem como as avaliações das empresas de sementes para selecionar o, ou os, híbridos que devem funcionar melhor para si e para os seus animais.

Este texto foi originalmente escrito para a revista Progressive Forage Grower por Bruce Anderson que é um especialista em forragens de extensão na Universidade de Nebraska - Lincoln - EUA. Foi traduzido e adaptado pela equipa do Milkpoint.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.