FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA PASSWORD SOU UM NOVO UTILIZADOR

Significado dos valores de ureia no leite (MUN) em vacas leiteiras

POR NUNO PALMA PINHEIRO DA SILVA

NUTRIÇÃO, FORRAGENS & PASTAGENS

EM 18/11/2014

1
1
A ureia é um composto azotado que é produzido no fígado dos ruminantes em geral e, das vacas leiteiras em particular, a partir de outro composto azotado, a amónia, que por sua vez resultada da degradação dos aminoácidos e proteínas no rúmen.

As bactérias da flora ruminal utilizam os compostos azotados e também a energia dos hidratos de carbono fermentescíveis do caldo ruminal – provenientes do alimento mas também, no caso dos compostos azotados, da própria saliva dos animais – para a sua multiplicação e consequente síntese da chamada proteína microbiana, tão importante para a economia dos compostos azotados nos ruminantes.
Se as bactérias da flora ruminal não conseguem captar toda a amónia existente no rúmen e convertê-la em proteína microbiana, o seu excesso é absorvido pela parede ruminal chegando assim à corrente sanguínea; por sua vez a amónia em circulação pode ser tóxica, daí que o organismo dos animais converte esta amónia em ureia; esta ureia em circulação no sangue (BUN) é excretada pela urina e pelo leite (MUN). As empresas que procedem à recolha e classificação do leite podem fazer esta determinação nos seus laboratórios e algumas já o fazem regularmente tendo os produtores acesso a estes dados.
Assim, sendo a MUN um produto resultante da degradação da proteína no rúmen e condicionada pela utilização em maior ou menor extensão dos compostos azotados pelas bactérias da flora ruminal, pode a mesma ser usada para determinar o estado da proteína da dieta e desta forma ser um indicador para aumentar a eficiência da síntese de proteína no rumen.

Factores que afectam o valor do MUN
Há muitos factores que afectam o valor da ureia no leite: o sistema de alimentação, o maneio alimentar, o tipo e composição dos alimentos da dieta, o tempo que medeia entre a alimentação e a ordenha, o nível produtivo, até a altura do ano. Este facto leva a que os seus valores, embora de grande utilidade para os nutricionistas, devam ser interpretados com critério e com conhecimento de todas as condicionantes que o podem afectar.

Os valores do MUN
O MUN é medido através de análise específica e os valores obtidos são expressos em mg/dl de leite. Os valores recomendados do MUN situam-se entre os 8/10 e os 12/14 mg/dl de leite recolhido no tanque. Alguns autores referem que valores próximos ou um pouco acima dos limites superiores referidos acontecem com uma dieta com aproximadamente 15-16 % de Proteína Bruta, e que haverá um aumento de 2 mg/dl no MUN por cada 1% de aumento da proteína total da dieta entre os 15 e os 18 %.
Quando os valores determinados se encontram fora do intervalo referido é importante pedir a um nutricionista que investigue a dieta total, os seus componentes e o maneio alimentar dos animais.
Valores de MUN inferiores a 8/10 mg/dl indicam a possibilidade de deficiente proteína na dieta, o que pode resultar num baixo nível de fermentação bacteriana ruminal limitando a produção de leite. Valores de MUN superiores a 12/14 mg /dl podem estar associados a excesso de proteína ou compostos azotados na dieta, ou a um desequilíbrio na economia dos compostos azotados no rúmen, que pode também ser devida a uma deficiência em hidratos de carbono fermentescíveis.
O conhecimento nutricional detalhado de todos os alimentos da dieta, isto é, os alimentos forrageiros, os alimentos concentrados ou alimentos compostos e eventuais suplementos utilizados, a formulação correcta da dieta e a escolha do maneio alimentar mais adequado podem ajudar a reequilibrar a dieta, potenciando a “eficiência do funcionamento” da flora ruminal, requisito imprescindível não só para a maximização do potencial produtivo dos animais, mas também para a manutenção do equilíbrio ruminal e prevenção de doenças metabólica.
 

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint.PT, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

NUNO PALMA PINHEIRO DA SILVA

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ANTÓNIO LUIZ GOMES

SANTARÉM - SANTARÉM - PESQUISA/ENSINO

EM 24/11/2014

Dos Açores dizem-me que, nas vacas em pastagem muito verde, como nesta altura, só se começam a preocupar com o MUN elevado para valores acima dos 30 (TRINTA)