FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA PASSWORD SOU UM NOVO UTILIZADOR

Silagens de milho armazenadas por mais tempo são mais digestíveis e mais estáveis.

POR JOÃO LUIZ PRATTI DANIEL

NUTRIÇÃO, FORRAGENS & PASTAGENS

EM 30/03/2015

2
0
*Artigo original MilkPoint Brasil

A obtenção de silagens de elevada qualidade está dependente de vários fatores como: colheita das plantas com maturidade adequada, velocidade da colheita, picagem, compactação, vedação do silo e maneio da velocidade de utilização da silagem. Logo, silagens com um elevado valor nutritivo, livres de agentes patogénicos e de toxinas e com uma boa estabilidade aeróbia somente são possíveis de serem obtidas se todos os pontos críticos supracitados forem executados com sucesso, culminando numa redução de perdas de matéria seca e um aumento de eficiência produtiva.

É do conhecimento comum que o valor nutritivo das silagens é, tradicionalmente, menor do que o valor nutritivo da cultura fresca que a deu origem. Entretanto, estudos recentes com silagens de milho e com grãos de milho contendo elevada humidade demonstraram um aumento da digestibilidade da matéria seca quando são armazenadas por períodos mais longos. Além disto, vários produtores e técnicos têm observado uma maior quantidade de grãos inteiros nas fezes e quedas na produção de leite quando as vacas passam a receber silagens “novas”, ou seja, silagens fermentadas por períodos mais curtos. Provavelmente isto ocorre porque o aporte de energia consumida pelos animais diminui quando a silagem “nova” passa a integrar a dieta, devido à menor digestibilidade desta comparativamente à silagem produzida no ano anterior.

Embora a redução e a estabilização do pH das silagens ocorra entre os 3 e 7 dias, períodos entre 21 e 30 dias têm sido amplamente divulgados como adequados para a estabilização da fermentação. Contudo, várias investigações corroboram que a fermentação prossegue para além de 7 dias, com aumentos significativos nas concentrações de produtos de fermentação e da digestibilidade da matéria seca, devido à quebra da matriz proteica que envolve o amido no endosperma dos grãos.

A partir dos factos expostos anteriormente, surgem as seguintes questões: Quanto tempo deve o silo ser mantido fechado antes da silagem ser fornecida aos animais, tendo em vista o aumento da digestibilidade? Há alteração da estabilidade aeróbia com o tempo de armazenamento?

Para responder a estas questões, foram compilamos os resultados de várias investigações onde a digestibilidade da fibra, a digestibilidade do amido e a estabilidade aeróbia das silagens foram avaliadas ao longo da fermentação. A fibra e o amido são as principais fontes de nutrientes constituintes do milho. Consequentemente, devem obrigatoriamente ocorrer importantes ganhos na digestibilidade ao longo do armazenamento, por alterações nestas frações.

A partir do conjunto de dados observa-se que a digestibilidade da fração fibrosa diminui ligeiramente ao longo da fermentação (Figura 1), pois a solubilização de partes da parede celular com maior digestibilidade (ex. hemicelulose) culmina numa menor digestibilidade do restante da fibra que permanece inalterada.

Por outro lado, a digestibilidade do amido aumentou 0,28 unidades percentuais por dia, até 30 dias de armazenamento e, após esta fase, a taxa de incremento da digestibilidade caiu 8 vezes para aproximadamente 0,03 unidades percentuais por dia (Figura 2). Apesar da digestibilidade do amido aumentar continuamente, os maiores benefícios ocorrem no primeiro mês de fermentação.

Figura 1 – Efeito do tempo de armazenamento na digestibilidade da fibra (FDN) de silagens de milho (Daniel et al., 2014).



Figura 2 - Efeito do tempo de armazenamento na digestibilidade do amido nas silagens de milho (Daniel et al., 2014).

Além da digestibilidade dos nutrientes, alterações na estabilidade aeróbia podem contribuir de uma forma indireta para o maior valor nutritivo das silagens armazenadas durante mais tempo. Com base nos ensaios compilados, a estabilidade aeróbia aumentou linearmente até os 113 dias de armazenamento (Figura 3). As maiores concentrações de ácidos orgânicos com poder antifúngico (ex. ácido acético) associados à diminuição da população de leveduras ao longo da fermentação são as principais razões para a maior estabilidade das silagens quando expostas ao ar.

Figura 3 - Efeito do tempo de armazenamento na estabilidade aeróbia de silagens de milho (Daniel et al., 2014).



Em conclusão, as silagens de milho devem ser armazenadas por, no mínimo, 1 mês, visando os ganhos na digestibilidade, mas se o objetivo for maximizar a estabilidade aeróbia e a digestibilidade, o silo deve ser mantido fechado por 4 meses. Nos casos onde as boas práticas de conservação são ignoradas, o potencial de ganho de valor nutritivo será reduzido e sobreposto por maiores perdas de nutrientes. Quanto maior o tempo de armazenamento, também maior a exposição do silo a intempéries climáticas (ex. raios ultravioleta) e, consequentemente, maiores as hipóteses de infiltração de ar na massa ensilada. A adoção de estratégias de vedação eficientes e eficazes e o uso de aditivos que melhorem a estabilidade aeróbia devem sempre ser consideradas.


JOÃO LUIZ PRATTI DANIEL

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOÃO LUIZ PRATTI DANIEL

SÃO PEDRO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 02/04/2015

Prezado Marco Antonio,

os ganhos em digestibilidade com estocagens prolongadas são observados em silagens de planta inteira e também de grãos úmidos (ou reidratados) de milho e sorgo.

No caso das silagens de cana e capim, se observa ligeira redução de valor nutritivo com o avançar do tempo.

Atenciosamente,

João Daniel
JOÃO LUIZ PRATTI DANIEL

SÃO PEDRO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 30/03/2015

Prezado Valfrido,

durante a estocagem existe um balanço entre ganho de digestibilidade e perda de matéria seca. Em silos bem compactados e bem vedados, os ganhos em digestibilidade sobrepõem as perdas de matéria seca, resultando em maior recuperação de matéria seca digestível. Logo, a resposta para sua pergunta é: "depende" da eficiência de vedação do silo. Lembre-se que estocagens muito longas exigirão mais estruturas de armazenamento e maior investimento no inventário de forragens conservadas.

Saudações,

João