FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA PASSWORD SOU UM NOVO UTILIZADOR

Análise de dados numa exploração leiteira - Parte 2

POR TIAGO BARROS

E JOSÉ FERRÃO

BEM ESTAR & GESTÃO

EM 27/04/2015

3
0
Produção de leite e médias de produção.

Quando se pergunta a um produtor qual é a média de produção da sua exploração, muitos números vêm provavelmente à cabeça, e a realidade é que faz sentido que assim seja.
Mas como é que é possível que algo tão simples como a média de produção de uma exploração possa suscitar dúvidas (ou ser o conteúdo/alvo de um artigo do milkpoint)?
Antes de mais, vamos refletir conceptualmente sobre:

O que é a média?

Em estatística média é uma medida de distribuição central, ou seja diz-nos onde/qual é valor médio ou central de um grupo de dados. O conceito e a ideia de média estão sempre relacionados com a soma dos valores de um determinado conjunto de dados, dividindo-se o resultado dessa soma (numerador) pela quantidade de dados que foram somados (denominador). Esta é uma definição um pouco abstrata, mas a definição é importante pois mais adiante ajudará o leitor a entender melhor os efeitos das pequenas variações causadas quer por ligeiras alterações no numerador quer no denominador.





Como a média de produção é um valor dinâmico, ou seja varia ao longo do ano, consoante existam mais ou menos vacas com patologias, número de vacas e percentagem de vacas secas, varia consoante os dias em lactação médios, média de dias em lactação, então quais as médias mais corretas para analisar?

Média de produção por vaca lactante.


O que é Média Vaca Lactante?

Esta média é simplesmente o valor do leite vendido, a dividir pelo número de animais que passam pela sala de ordenha.

Como se calcula?

Suponhamos que a nossa exploração “Vaca Formosa” vende 3500 litros de leite e possui 100 vacas que são ordenhadas, logo a média dessa exploração são 35 litros.

Média vaca lactante e o nutricionista
Em termos de apoio ao nutricionista, este valor pode ser enganador. Ao nutricionista interessa saber a media de produção das vacas que serão alimentadas e não apenas aquelas que estão a produzir leite passível de ser comercializável. Assim No caso de existirem muitos animais em tratamento, por exemplo se das 100 vacas da exploração da “Vaca Formosa”, 10 estivessem em tratamento, no denominador teríamos 90 vacas ao invés de 100, logo a média seria erroneamente 38.89 l/vaca/dia. Caso o nutricionista, não seja suficientemente envolvido na gestão da exploração não iria ter conhecimento deste pequeno importante detalhe, e iria então formular uma ração inadequada as necessidades das vacas.

Por outro lado, do ponto de vista económico, usar 100 vacas no denominador faz mais sentido na medida em que o número de litros que aparece na folha de pagamento é mais relevante. Já em relação à compreensão da alimentação animal e sua eficiência este valor pode levar a tomar decisões erradas.

Como aumentar a média vaca lactante

1- Dias em Lactação, quanto menor os dias médios em lactação será a média pois mais perto do pico de produção dos animais vamos estar
2-Contagem de células somáticas, quanto menor o valor de células somáticas melhor a saúde e maior a produção potencial dos animais.
3-Média de lactações, quanto mais vacas adultas possuir no efetivo, maior a produção do mesmo pois as novilhas dão em média menos 15-25% menos leite que as vacas adultas.
4- Número de vacas secas, quanto maior o número de vacas secas maior a produção vaca lactante, pois podemos sempre secar as vacas que dão menos leite mesmo que falte mais do que o tempo pré-definido para a exploração para as secar (seja 60, ou 45 dias ou outro número de dias).
5- Saúde e bem-estar animal, quanto maior bem-estar animal existir na exploração maior será a saúde do rebanho, e por conseguinte, quanto mais saúde menos animais estarão a produzir abaixo do seu potencial genético e menos animais estarão em tratamento antibiótico, por mastite ou outra patologia.

Gráfico 1- Exemplo de evolução da média vaca lactante ao longo de dois anos e a sua dinâmica.


Média de produção por vaca presente.

Como se calcula?

Esta média é calculada dividindo o leite vendido pelo número de vacas adultas, estejam elas em produção ou secas.
Para o exemplo da exploração anterior com 3500 litros vendidos, admitindo que possui 100 vacas em produção e 10 vacas secas, a média vaca presente vai ser de 31,8 litros. Se por exemplo a mesma exploração tivesse 20 vacas secas a sua média vaca presente seria de 29,1 litros.
Ou seja o que esta média acrescenta em relação á média vaca lactante é que elimina o fator de percentagem de vacas secas da equação e dá-nos um valor mais aproximado da eficiência da exploração. Ou seja quanto mais alta for a média vaca presente tendencialmente mais eficiente será a exploração.

Com este comentário não quero dizer que numa exploração por vezes não existam 20% de animais secos, apenas que devemos tentar que este valor se aproxime o máximo possível dos 10-15%. Existem também condicionantes de ordem prática como por exemplo parques de produção sobrelotados ou salas de ordenha com capacidade reduzida para os animais em produção, fazendo com que estes estejam muito tempo no parque de espera (>30-45min), podendo ser vantajoso, ter mais vacas secas a curto e médio prazo.

Um truque simples para perceber (para além do normal rácio de uma vaca por logete e por cornadi), que existem animais em excesso num parque, é secar um lote de alguns animais e verificar que após estes animais terem ido para a secas as restantes, por aumento de conforto, estão a dar o mesmo leite por parque e por vezes até mais.

Gráfico 2- Exemplo da evolução da média vaca presente ao longo de dois anos.

Produção média por vaca projetada a 365 dias

Para que serve?

A média de vaca presente é uma ferramenta útil também para perceber quanto leite em termos projetados vai a exploração produzir e vender mensalmente e anualmente por vaca e por exploração.

Como se calcula?
Pegando no exemplo anterior, se multiplicarmos os tais 31,8 litros (3500/110) ou seja 10% de vacas secas, por 365 dias, vamos obter o valor de 11607 litros produzidos por vaca ano, e se multiplicarmos pelos 110 animais, vamos chegar à projeção de 1 276 770 litros produzidos por ano.
Se invés dos 31,8, tivéssemos os 29,1 litros (3500/120) ou seja 20% de vacas secas, se multiplicarmos por 365 dias, vamos obter o valor de 10621 litros produzidos por vaca/ano, o que neste caso multiplicado pelos 120 animais iríamos obter os mesmos 1 276 770 litros produzidos por ano, com a diferença que produzíamos menos 986 litros por vaca presente o que equivale a menos 325,38 euros por vaca ou seja menos 35 791 euros por 110 vacas no final do ano.

Conclusão

Após a leitura deste artigo, poderá pensar: onde é que entra a média do contraste, as projecções do contraste e todos os valores que lá estão, inclusive a famosa média a 305 dias das vacas que ordena o ranking de suposta eficiência das explorações?
A média e os valores individuais de produção do contraste são valores muito úteis para tomada de decisões individuais dos animais, tanto maiores quanto mais pequena ou pouco informatizada, seja a exploração. Mas não deixam apenas de ser os dados de 1 dia no mês e de 12 dias em 365 dias no ano, ou seja é uma amostra de 3,2% dos dias do ano da sua exploração. Quantas vezes por algum motivo naquele dia as vacas produziram mais, ou menos leite que o normal, alguns animais por mastite ou por terem alguma patologia obtiveram uma produção que não condiz com o seu real potencial?

Não quero, no entanto, diminuir a importância desta ferramenta fantástica que está ao dispor dos produtores, principalmente no que toca a análise de células somáticas, que considero imprescindível. Pretendo é que cada vez mais quando questionado um produtor pela sua média, os valores que sejam mais uteis para a própria auto critica e para uma melhoria continua da eficiência das explorações sejam os valores da média vaca lactante, média vaca presente, e a projecção a 365 dias por vaca e por ano, que conjuntamente com os restantes parâmetros técnicos nos vão dando informações para fundamentar as decisões que têm que ser tomadas quer diariamente, quer para definir estratégias a curto, médio ou longo prazo.



TIAGO BARROS

Research Assistant
Department of Dairy Science
University of Wisconsin-Madison

JOSÉ FERRÃO

Médico veterinário que trabalha na área de Medicina de produção de Bovinos de leite.

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSÉ FERRÃO

LISBOA - LISBOA - MÉDICO VETERINÁRIO

EM 08/05/2015

Este é apenas um dos parâmetros de analise diária/mensal e anual de uma exploração, um dos importantes mas sozinho vale o que vale! A ideia é sempre conjugar bons índices e cada vez mais ter noção de como evolui a exploração ao longo do tempo.



Mais partos implica sempre menos dias em lactação e quanto mais nos aproximamos dos 150 dias maior o indice de conversão de alimento em leite traduzido em ingresso por kg de Matéria seca. Mas se não se tiver uma baixa taxa de mortalidade e muito pouca patologia no pós-parto todo esse efeito pode desaparecer!!
MIGUEL VIEIRA

OVAR - AVEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 28/04/2015

Parabéns.

Sem duvida um excelente artigo

Conclusão + partos > rendimento  ?
PEDRO SANTOS

PÓVOA DE VARZIM - PORTO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 27/04/2015

Parabens, excelente artigo tecnico.

Sem duvida que estes dois indicadores realistas, são o reflexo de todo o maneio aplicado numa exploração leiteira e que nos permite tirar conclusões sobre o sucesso do nosso negocio.



Cumprimentos,

Pedro Santos