FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA PASSWORD SOU UM NOVO UTILIZADOR

As mulheres no setor agrícola: sobre a masculinização do setor

POR ANA SOFIA CARDIM BARATA

BEM ESTAR & GESTÃO

EM 16/10/2017

0
0
In Portal Belo JardimDe acordo com os dados não publicados e recolhidos no último recenseamento da população, realizado pelo Instituto nacional de Estatística (INE) no ano de 2011, constata-se que para uma desagregação de 130 profissões, e considerando as profissões relacionadas com a agricultura e mais concretamente, com a produção animal, o setor é ainda extremamente masculinizado. Assim, considerando um grupo de profissões, de entre as quais se destacam diretores de produção na agricultura, produção animal, flores e pesca, veterinário, técnico e assistente de veterinários, produtores e trabalhadores qualificados na criação animal, agricultor e trabalhador qualificado da agricultura e produção animal combinadas, orientadas para o mercado, agricultor de subsistência, criador de animais de subsistência e agricultor e criador de animais de produção combinada, de subsistência, existe um total de 77.295 profissionais, dos quais 53.164 são homens e 24.131 são mulheres, isto é, existe uma taxa de masculinização do setor de 69%, o que evidencia uma desigualdade ao nível da distribuição entre sexos nas diversas profissões consideradas.

Tal como diversas investigações demonstram, esta forte masculinização do setor é, simultaneamente, causa e consequência de assimetrias que se evidenciam prejudiciais à igualdade de oportunidades entre homens e mulheres, quer no acesso, quer na permanência no mercado de trabalho, e na progressão dentro deste grupo de profissões. Por outro lado, se observarmos mais atentamente, esta masculinização é ainda maior no caso dos diretores de produção animal na agricultura, produção animal, floresta e pesca, atingindo um valor de 76% de homens contra apenas 24% de mulheres a ocupar cargos de direção. Não obstante, ao observarmos os valores constantes na profissão de veterinário, essa tendência inverte-se, sendo esta uma profissão feminizada (59% de mulheres e 41% de homens). Esta tendência, numa profissão que envolve uma licenciatura, é congruente com o aumento da escolaridade das mulheres nas últimas décadas, não se refletindo de forma proporcional, no entanto, ao nível da progressão profissional e da igualdade salarial.

Este é também um setor profissional em que existe ainda uma grande tradição, uma vez que a ligação à terra é ainda uma constante, o que se repercute na tipologia e forma de organização das empresas, que têm caraterísticas assumidamente tradicionais e familiares. O último inquérito realizado pelo Instituto Nacional de Estatística e coordenado por Perísta e colaboradores (2016) aponta para a manutenção na desigualdade da repartição entre os tempos de trabalho remunerado e não remunerado. Segundo este documento, e considerando como pessoas que têm uma atividade profissional todas aquelas que exercem um trabalho ou uma profissão, pessoas que realizam um trabalho não remunerado para um negócio/exploração agrícola da família, e ainda as pessoas que se encontram a desenvolver estágio profissional, “o tempo dedicado, em média, no último dia útil, ao trabalho não pago é de 4 horas e 17 minutos para as mulheres, e de 2 horas e 37 minutos para os homens” (Perista & colaboradores, p. 10, 2016). Ou seja, apesar de se poder observar uma redução no tempo de trabalho não remunerado entre homens e mulheres que desenvolvem atividade tradicional, os valores encontram-se ainda muito distantes de uma situação que se possa chamar de equitativa entre os sexos. Apesar de não existir nenhuma investigação direcionada para o uso do tempo, entre homens e mulheres, que envolva exclusivamente os trabalhadores agrícolas e, mais concretamente, as micro explorações, estima-se que, devido à já mencionada tradicionalidade do setor, esta situação seja ainda mais gravosa, sendo também uma constatação a lacuna de investigação dentro desta área de atividade tão específica e dotada de tantas particularidades.

Referências:
Perista, H., Cardoso, A., Brázia, A., Abrantes, M., Perista, P., & Quinta, E. (2016). Os usos do tempo de homens e de mulheres em Portugal – Policy Brief. Lisboa: Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego.
 

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint.PT, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

ANA SOFIA CARDIM BARATA

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.