FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA PASSWORD SOU UM NOVO UTILIZADOR

Boas práticas para melhorar a performance do efetivo: Qualidade da Água

A água constitui 87% do leite das vacas. Para a maximização da performance do efetivo é essencial  o fornecimento de água fresca, limpa e segura.

Pode não ser possivel ver, cheirar ou provar qualquer tipo de anomalia na água, mas isso não implica que ela não possa prejudicar a capacidade produtiva e reprodutiva dos animais. É estritamente necessário que esteja sempre disponivel uma fonte de água de qualidade para que, entre outras necessidades, as vacas sejam capazes de manter o volume sanguíneo, o funcionamento celular a atividade ruminal e o correto transito alimentar no trato gástrico.

Sinais frequentes de que a água pode não estar nas condições desejadas são:

• Problemas de saúde ou de performance nas vacas
• Anomalias de saúde em novilhas de reposição ou nas vacas secas recém-chegadas à exploração
• Sinais de impurezas na água, mau cheiro, turvidez ou algum tipo de sabor.
• Problemas digestivos em humanos que consumam água da mesma fonte

Consumo de água adequado

Tipicamente, cada vaca leiteira pode consumir facilmente entre 100 a 200 litros de água por dia. Diáriamente elas estão cerca de quatro a cinco horas à manjedoura, mas apenas 20 ou 30 minutos junto ao bebedouro. Este facto faz com que o fácil acesso à fonte de água seja imprescindível para a correta hidratação das vacas. A água bebida fornece entre 60 a 80% das necessidades diárias das vacas, provindo a restante percentagem da alimentação.

Tal como é visivel no quadro 1, o consumo de água varia conforme os niveis produtivos e a temperatura ambiente.

Quadro 1: Estimativa calculada com o programa Zinpro H2O Water Analysis Program, 2011

Práticas de maneio que ajudam a otimizar o consumo de àgua
:

• Direto acesso a uma fonte de àgua de qualidade à saida da sala de ordenha
• Fonte de água a menos de 15 metros da manjedoura
• Ter pelo menos dois bebedouros por lote de vacas
• Assegurar um correto fluxo de àgua que mantenha uma profundidade minima de 7,5 cm nos bebedouros
• Monitorizar a tensão estática do bebedouro e da área circundante ao mesmo

Dimensionamento dos bebedouros

Em lotes com até 50 animais, pode utilizar-se a relação perímetro/animal de 1m/10 animais. Já em lotes maiores, são recomendados 3 cm por animal, considerando que os animais não irão beber água todos ao mesmo tempo.

Analisar a água.

Para evitar ter água de reduzida qualidade, é recomendado que se executem analises duas vezes por ano, no final do verão e no final da primavera. Para analisar a água é importante conhecer os seus contaminantes, os valores aceitáveis dos mais variados constituintes e os efeitos metabólicos que alguns deles podem ter nas vacas.
Numa análise tipica à água de uma exploração leiteira, é recomendado analisar os seguintes parâmetros:

• Total de sólidos dissolvidos, pH e dureza da água.
• O excesso de minerais ou compostos, como sulfatos, cloro, ferro, manganês e nitratos,
• Contagem bacteriana e de coliformes totais.
• Compostos tóxicos como metais pesados, organofosfatos, PSB's e hidrocarbonetos

Na altura de analisar, é recomendado que se recorra a um laboratório com as devidas credenciais e que discuta com um técnico quais os parâmetros a serem analisados, conforme a zona em que está e eventuais problemas que tenham surgido recentemente. É importante estar consciente de que determinados problemas só serão encontrados se o parâmetro for analisado.

A recolha das amostras é outro ponto critico no processo de análise, desta forma deve considerar:

• Uso de um frasco de recolha estéril, geralmente facultados pelo laboratório.
• Não entregar a amostra passadas mais de 24 horas após a recolha
• Nunca deve recolher a amostras de águas paradas, e deve sempre deixar correr a torneira ou a canalização durante alguns minutos antes de efetivamente encher o recipiente
• Deve recolher amostras de diversos locais na exploração, por exemplo, de várias torneiras.

Efetuada a análise podem tomar-se decisões mais fundamentadas de forma a resolver algum problema que apareça. Os tratamentos da água podem ser de diversas naturezas, à base de desinfetantes, filtros, corretores ou sistemas de osmose inversa. (quadro 2)

Quadro 2: EstoxNet FAQs, 2003. http://ace.orst.edu/info/extoxnet/faqs/safedrink/treat.htm

É nesta altura de temperaturas quentes que é ainda mais importante controlar eficazmente todos os bebedouros da exploração, pois só com acesso a água limpa e de qualidade as vacas vão conseguir maximizar o seu potencial produtivo.



Este artigo provém do site Progressive Dairyman, foi originalmente escrito por Dana Tomlinson e foi traduzido e adaptado pela equipa do MilkPoint




0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.