ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA PASSWORD SOU UM NOVO UTILIZADOR

Como vai ser o setor nos próximo 50 anos?

Se olharmos para o passado, há 50 anos agora, houve uma mudança a todos os níveis incrível! A questão é: vamos fazer tanto progresso nos próximos 50?
 
Se não for descarrilado por ativistas ou por alguma tecnologia imprevista que produza uma substância parecida com o leite, os cientistas vêem um futuro brilhante para os laticínios. Dez deles acabaram de publicar um artigo de 18 páginas na edição de abril do Journal of Dairy Science, delineando a sua visão.
 
“O leite faz parte da domesticação do gado há cerca de 360 ??gerações humanas”, escrevem os cientistas. “Os próximos 50 anos compreendem cerca de duas gerações, por isso parece improvável que a indústria leiteira como a conhecemos seja deslocada até 2067. É mais provável que as novas tecnologias, juntamente com a sustentabilidade das práticas agrícolas, fortaleçam a indústria de laticínios e a mantenham posicionada para fornecer produtos lácteos"..
 
Em 1967, o efetivo dos EUA era de 13,5 milhões de vacas, mas a produção por vaca era de apenas 8.821 libras. A produção total dos EUA ficou abaixo de 120 bilhões de libras. Hoje, pouco menos de 9,4 milhões de vacas produzem quase 23.000 libras / vaca. anualmente. Isso é cerca de 70% mais com 30% menos vacas. A questão é: podemos fazer isso de novo? A resposta: sim, porque precisaremos.
 
Até 2067, as Nações Unidas prevêem que a população mundial cresça de 3 bilhões a 10,5 bilhões de pessoas. A maioria dessas pessoas estará na Ásia e na África. Não apenas a população aumentará, mas o consumo de lácteos aumentará ainda mais à medida que os rendimentos aumentam e a procura por dietas mais ricas em proteína crescer. Tudo totalizado, a produção de leite terá que crescer 13,2 trilhões de libras. Para que isso aconteça, a vaca leiteira média do mundo terá que duplicar a sua produção anual de leite.
 
O problema é que a terra arável disponívelencolherá nas áreas onde a população está a crescer mais rapidamente. Isso significa que o Hemisfério Norte - os Estados Unidos, o Canadá e a Rússia - será o local de maior produção de leite, porque esses países têm o clima e os recursos hídricos para sustentar a produção adicional de leite. E a mudança climática (devido ao clima mais quente e ao suprimento de água reduzido) também mudará a produção dentro da América do Norte - com a produção de leite no Oeste, Sudoeste e Sudeste migrando para o Centro-Oeste, Grandes Lagos e províncias centrais do Canadá.
 
Os cientistas não nos vêem atingindo rapidamente o limite biológico da produção de leite da própria vaca. "Projetamos que a produção anual de leite ou leite sólido nos Estados Unidos e na Nova Zelândia dupliquem até 2067", escrevem eles. “Os principais registos individuais de vacas produzidos durante a última década foram 10 a 14 unidades de desvio padrão maiores do que o rendimento médio por vaca em 2014, indicando que o potencial de aumento de produtividade é substancial.” 
 
Várias áreas ajudarão a impulsionar a produção de leite:
 
• Genética:

  1. O uso de tecnologias avançadas permitirá o encurtamento do intervalo de geração. O uso da genómica também será usado para melhorar a saúde, o bem-estar, a eficiência alimentar e a excreção de metano. O uso de edição e inserção de genes, por exemplo, poderia rapidamente mover características como a tolerância ao calor para outras linhagens genéticas ou raças. Bovinos resistentes à febre aftosa, Lepto, IBR e BVD podem tornar estas doenças praticamente inexistentes em cinco décadas.
  2. Os agricultores também administrarão os microbiomas do trato digestivo de vacaspara melhorar e otimizar a saúde, o bem-estar, a reprodução e a produtividade das vacas. Serão também encontradas formas de gerir melhor o epigenoma da vaca, que regula a resposta de longo prazo da vaca ao seu ambiente.

 
• Gestão agrícola:

  1. Oa agricultores poderiam compartilhar centros de alimentação, instalações de transição, criação de vitelas e unidades de carne, todos usados ??para apoiar instalações que simplesmente ordenham e reproduzem vacas. Pequenas explorações podem especializar-se em leite com produtos terapêuticos patenteados.
  2. A automação substituirá o trabalho humano. Ordenha, alimentação, limpeza de cama serão feitas roboticamente. Mais leite será por rotina separado na exploração, reduzindo o transporte de leite e usando a lactose e a água recuperada.

 
• Rebanhos como "superorganismos": 

Os efetivos serão vistos como "superorganismos":  serão estudados para determinar por que alguns rebanhos, sob o mesmo tipo de maneio, sistema de ordenha e alimentação, têm desempenho diferente de outros. 
 
Os pesquisadores dizem que o gado leiteiro é um dos mais eficientes conversores de ração para proteína adequada ao consumo humano, melhor do que a produção de ovos e aves por causa da capacidade das vacas leiteiras de usar forragem e subprodutos. “O aumento do uso de pastagens permanentes e de produtos derivados para a produção de leite reduzirá a pressão sobre as terras aráveis”, observam os autores.
 
“A nossa visão é que a produção no futuro refletirá a intensificação sustentável que beneficia animais, agroecossistemas e a humanidade através da produção de nutrientes essenciais para o consumo humano”, diz Jack Britt, da North Carolina State University. Britt foi o principal autor do relatório.
 
Os co-autores incluem Robert Cushman, USDA-ARS; Chade Dechow, Penn State; Hillary Dobson, Universidade de Liverpool, Reino Unido; Patrice Humblot, Universidade Sueca de Ciência Animal; Mike Hutjens, Universidade de Illinois; Gordy Jones, Central Sands Dairy; Pam Ruegg, Michigan State; Iain Sheldon, Escola de Medicina da Universidade de Swansea, Reino Unido, e Jeff Stevenson, Estado do Kansas.

 

O artigo foi adaptado do www.milkbusiness.com

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.