FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA PASSWORD SOU UM NOVO UTILIZADOR

Boas práticas na ordenha: nunca é demais relembrar estas 10 dicas!

Um bom maneio de ordenha consiste em otimizar o tempo que os animais passam durante nesse processo, além de prevenir a incidência de mastite clínica e subclínica.
Alguns passos devem ser seguidos, independentemente do tipo de ordenha escolhida. Dentre eles, destacamos aqueles considerados essenciais para ajudar o produtor a garantir a excelência na produção:

1. Conduzir com calma os animais até a sala de ordenha, sem gritos, ou empurrões, para que esta não seja uma experiência traumatizante aos animais, associada ao medo;

2. Formar uma linha de ordenha, em que preferencialmente as primíparas sejam ordenhadas primeiro, seguidas pelas multíparas sem histórico de mastite, multíparas com elevadas CCS, e por último os animais com mastite clínica e descarte de leite. Com isso diminuímos a contaminação cruzada entre os animais;

3. Evitar o uso de água na limpeza dos tetos, a não ser que estes estejam recobertos por fezes. Nunca molhar o úbere, para que a água não escorra até os tetos e equipamentos de ordenha, aumentando o risco de contaminação;

4. Realizar o teste californiano, o que permite o tratamento precoce dos animais, diminuindo a gravidade dos casos de mastite e o descarte de leite, assim como a disseminação do agente patogénico;

5. Realizar o pré-dipping com soluções comprovadamente efetivas e nas diluições recomendadas, sendo que todo o teto seja recoberto pela solução e que esta permaneça 30 segundos em contato com o mesmo;

6. Secar os tetos antes do acoplamento da tetina, utilizando-se uma folha de papel  para cada teto;

7. Garantir o posicionamento correto das tetinas para evitar a entrada de ar. A retirada deve ser automática, ajustada para que seja realizada após esgotamento do leite do úbere, e o vácuo deve estar regulado para evitar hiperqueratose na ponta dos tetos;

8. Após a ordenha, aplicar solução pós-dipping, garantindo que toda a extensão do teto seja imersa no produto. Essa solução, assim como o pré-dipping, deve ter efetividade comprovada, além de ser mais concentrada e viscosa do que a primeira, garantindo que permaneça no teto durante o período em que o esfíncter se encontre aberto. Ainda, é importante que a solução tenha propriedades humectantes, para preservar a integridade dos tetos;

9. Como auxílio na prevenção de mastite, principalmente ambiental, no retorno de cada ordenha, estimular o consumo de seca e que os animais não se deitem durante o período em que o esfíncter permanece aberto, estando portanto, mais suscetível à contaminação;

10. Higienizar a sala e os equipamentos utilizados de acordo com a recomendação do fabricante, após cada uso, para evitar a proliferação de bactérias no material residual e a contaminação dos animais e do leite proveniente da ordenha posterior.

O artigo é do MilkPoint Brasil.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.