Fechar
Subscreva a nossa newsletter

É só registar-se! Recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente no seu e-mail. É gratuito.

esquisa mostra que produtores americanos estão mais criteriosos no uso de antibióticos para mastite

publicado em 01-09-2017

Comente!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

De acordo com uma pesquisa recente, os produtores de leite dos Estados Unidos estão a mudar os seus protocolos ou práticas quando se trata de mastite. Mais de 60% dos entrevistados disseram ter mudado os seus protocolos de tratamento de mastite nos últimos anos para serem mais cuidadosos com o uso de antibióticos. Então, o que está a direcionar  essa mudança?

"Os produtores de leite estão mais atentos se devem tratar a vaca ou não", disse a Linda Tikofsky, Diretora Associada Sénior, de Serviços Profissionais, de Lácteos, da Boehringer Ingelheim. "Além disso, tem havido cada vez mais discussão, educação e pesquisa em tratamento de mastite, particularmente centradas em torno de quais infecções precisam de tratamento com antibiótico e quais podem se curar por conta própria".

Tikofsky também disse que os produtores estão a afastar-se dos tratamentos gerais e realmente a refletir sobre o agente patogénico envolvido num animal específico.

A pesquisa enviou aos produtores 20 perguntas de múltipla escolha. Quase 40% dos participantes têm um efetivo de 501-1000 vacas. Trinta por cento dos entrevistados têm um efetivo de 251-500.

As principais conclusões do estudo incluem:

· Os produtores estão a usar menos antibióticos – 36% dos entrevistados estão a usar amostras individuais de leite para ajudar a determinar o agente da mastite, enquanto 40% fazem antibiograma. Ser mais criterioso com os antibióticos foi o motivo número um pelo qual os produtores estão implementando cultura, seja na exploração ou através da sua clínica veterinária. O tempo necessário para receber os resultados e os inconvenientes foram os principais motivos pelos quais alguns entrevistados optaram por não analisar regularmente amostras de leite para a mastite.

· Os produtores ainda recorrem aos tratamentos de terapia prolongada. "Como veterinários, é importante para nós conversar com os produtores sobre os benefícios dos tratamentos de mastite de curta duração”, disse Tikofsky. “O tratamento de curta duração é uma escolha efetiva e económica para a mastite. Isso significa voltar a ordenhar a vaca e recuperar o leite no tanque mais rápido do que se usar uma terapia prolongada.”

· Os produtores estão a discutir antibióticos e protocolos de mastite com o seu veterinário. Quase 35% dos entrevistados conversam com seu veterinário uma vez por mês sobre o uso de antibióticos e o tratamento veterinário. No entanto, os protocolos de vacinação, deslocamento de abomaso e outras cirurgias, são as principais atividades que os veterinários entrevistados participam durante as visitas.

"Toda operação deve trabalhar com o seu veterinário, para ajudá-los a encontrar os seus tratamentos de mastite. Isso pode ajudá-los a tomar uma decisão de tratamento educada e poder colocar protocolos efetivos em vigor ", Tikofsky.


As informações são da Boehringer Ingelheim, publicadas no Dairy Herd Management.
 

Avalie este conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie o seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo no seu e-mail?

Receber os próximos comentários no meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento da MilkPoint.PT.

Consulte a nossa Política de Privacidade