FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA PASSWORD SOU UM NOVO UTILIZADOR

Tempo de sobreordenha afeta negativamente a sanidade dos tetos

Atualmente, observa-se um aumento do número de vacas em lactação, o que aumenta a necessidade de mão de obra qualificada e maior tempo de ordenha. Com o objetivo de optimizar o tempo de extração de leite, muitas vezes os produtores instalam unidades de ordenha adicionais. No entanto, nos sistemas de ordenha sem extratores automáticos de tetinas e que o número de conjuntos de ordenha ultrapassa o potencial de trabalho dos ordenhadores, aumenta-se o risco ocorrer a sobreordenha. Esta falha no maneio é caracterizada pela permanência do conjunto de ordenha em fase de extração após o fim do fluxo de leite.

Em sistemas de produção de leite baseados em pastagem, com produção sazonal, típicos da Nova Zelândia, a produção total de leite vai-se reduzindo com o avanço da estação produtiva. A redução de volume de leite produzido/vaca resulta num menor tempo de ordenha das vacas, enquanto a rotina de trabalho por unidade de ordenha permanece constante. Esta falha no maneio também predispõe a sobreordenha, principalmente em vacas em estágio final de lactação.

Os efeitos negativos da sobreordenha incluem aumento da contagem de células somáticas (CCS), e aumento da predisposição de lesões nos tetos, as quais prejudicam a função natural do canal e esfíncter do teto. Estas estruturas formam a barreira física que protege o ambiente interno da glândula mamária contra a invasão de microrganismos presentes no ambiente externo. Lesões crónicas nesta região podem causar hiperqueratose (Figura 1), a qual predispõe a colonização e entrada de patógenos causadores de mastite na glândula mamária. Além disso, a sobreordenha pode facilitar a transferência de microrganismos causadores de mastite de quartos infectados para quartos sadios durante o período de baixo fluxo de extração de leite, o que também pode aumentar a incidência de mastite.

Um estudo recente realizado na Nova Zelândia procurou determinar o efeito de diferentes tempos de sobreordenha sobre a ocorrência de hiperqueratose, produção de leite, CCS e incidência de mastite clínica de vacas no terço final de lactação. Durante seis semanas, 181 vacas de dois grupos foram distribuídas em quatro grupos de acordo com o tempo de sobreordenha: controle – remoção automática do conjunto de ordenha após o fluxo de leite ter atingido 0,2 Kg/min; 2 minutos – remoção manual do conjunto de ordenha dois minutos após o fluxo de leite ter atingido 0,2 Kg/min; 5 minutos – remoção manual do conjunto de ordenha cinco minutos após o fluxo de leite ter atingido 0,2 Kg/min; 5 minutos– remoção manual do conjunto de ordenha nove minutos após o fluxo de leite ter atingido 0,2 Kg/min.

O grau de hiperqueratose dos esfíncteres dos tetos foi avaliado com o uso de uma escala de 1 a 4, sendo a hiperqueratose de grau 1 caracterizada por tetos com esfíncteres completamente saudáveis e íntegros; e a hiperqueratose de grau 4 caracterizada por tetos com esfíncteres lesionados, abertos e extremamente rugosos (Figura 1). A produção de leite, duração da ordenha e taxa de fluxo máximo de leite foram avaliados por sistemas computadorizados do próprio equipamento de ordenha da fazenda. Amostras de leite semanais foram colhidas para avaliação da CCS. Vacas com mastite clínica foram identificadas antes da ordenha e tratadas conforme protocolo terapêutico da exploração.

Figura 1 – Esfíncter de um teto sadio (A) e outro com hiperqueratose grave de grau 4 (B). Imagens: Marina E. D. A. Migliano.


Os resultados do estudo demonstraram que vacas com maior tempo de sobreordenha apresentaram aumento no score de hiperqueratose (Tabela 1). As principais alterações foram observadas no período de início até a terceira semana do período experimental. Com exceção da quinta semana, a média de score de hiperqueratose de esfíncter de tetos das vacas do com 2 minutos de sobreordenha foi similar à média observada para as vacas do grupo controlo (não submetido à sobreordenha). No final das seis semanas do período experimental, o score de hiperqueratose das vacas com 5 minutos de sobreordenha foi maior que o observado nas vacas do grupo com 2 minutos de sobreordenha. Da mesma forma, o grau de hiperqueratose das vascas com 9 minutos de sobreordenha foi maior que o observado para as vacas com 2 e 5 minutos de sobreordenha (Tabela 1).

Tabela 1 – Efeito dos tempos de sobreordenha sobre a porcentagem de tetos com escore grave de hiperqueratose de esfíncter (grau 4).



A produção e composição do leite não foram afetadas pelos tempos de sobreordenha avaliados no estudo. A média de CCS também não diferiu entre os grupos avaliados, e apenas uma vaca com 5 minutos de sobreordenha apresentou mastite clínica durante o ensaio.

Os resultados deste estudo podem ter importantes implicações no maneio da ordenha de explorações leiteiras. Por exemplo, o efeito da sobreordenha sobre a hiperqueratose do esfíncter de teto é rápido, apesar de um período maior ser necessário para que as lesões atinjam níveis mais graves. Períodos de sobreordenha superiores a dois minutos ocorrem com frequência em explorações que não dispõem de extratores automáticos de tetinas. Assim, para que alterações na integridade dos tetos das vacas sejam minimizadas, deve-se ter atenção para o dimensionamento das salas de ordenha e formação da mão de obra.

Antes de construir uma sala de ordenha, e assim, garantir a utilização máxima dos conjuntos de ordenha com o mínimo de tempo ocioso do ordenhador, o número ideal de unidades deve ser determinado com base em um planejamento antecipado da duração de ordenha e do tempo de rotina de trabalho do(s) ordenhador(s). Em instalações já construídas, para que o tempo máximo de sobreordenha seja de no máximo dois minutos, também é necessário adequar a duração do tempo de ordenha com a rotina de trabalho do ordenhador. Por fim, ações como o treinamento de mão de obra, a instalação de extratores automáticos de teteiras e a adequação do número de conjuntos de ordenha conforme a capacidade de trabalho do ordenhador são práticas que podem auxiliar na manutenção da integridade dos tetos e da sanidade da glândula mamária do rebanho.

Fonte: Edwards et al. (2013). Journal of Dairy Research. 80:344–348.

Marcos Veiga Santos Pirassununga - São Paulo - Professor Associado da FMVZ-USP Qualileite/FMVZ-USP Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225 Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP Pirassununga-SP 13635-900 19 3565 4260

Tiago Tomazi - Doutorando do Programa de Pós-graduação em Nutrição e Produção Animal, FMVZ-USP.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint.PT, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.